PEDRO ´PAQUITO´ RAMALHO TEM A SUA BIOGRAFIA NA CONHECIDA ENCICLOPÉDIA BJJ HEROES

11350141_10204188859748299_303843687_n

 

Depois de Mónica Silva e Nelton Pontes, mais um português tem a sua biografia desportiva no conhecido site BJJ Heroes: Pedro ‘Paquito’ Ramalho.

 

No artigo podes ainda ver alguns dados da carreira do conhecido atleta nacional e ainda tens um link para a entrevista que o mesmo deu ao nosso site em 2015.

 

Clica no link para leres o artigo: https://www.bjjheroes.com/bjj-fighters/pedro-ramalho

 

 

OS PRINCIPAIS MOMENTOS DO ‘NACIONAL OPEN JIU-JITSU 2017′, POR DIOGO TRIGO

Finalistas do absoluto, com Paquito a levar para casa a viagem ao mundial da Califórnia do próximo ano. Foto: Diogo Trigo

 

Já em modo de preparação para o campeonato Europeu do próximo mês, o pavilhão desportivo do Casal Vistoso, em Lisboa, engomou a faixa e vestiu o kimono de gala para receber este sábado mais um evento do Nacional de Jiu Jitsu. Apesar de alguma polémica nas semanas que antecederam o evento relativa a aumentos de preços de inscrição e de filiação na FPJJB, foi bom constatar que no fim de contas o campeonato foi bastante concorrido e disputado, com pelo menos uma luta para virtualmente todos os atletas até Master 3, e bem gerido, tendo-se cumprindo de uma forma geral o cronograma previsto, algo que é de louvar num evento com mais de 200 divisões.

 

Desportivamente, tivemos embates de alta qualidade, drama, sorte, técnica, raça, finalizações salvas pelo gongo, lutas revertidas nos últimos segundos, decisões polémicas, sonecas no tapete, risos, choros e muito desportivismo. Quando assentou a poeira, a Icon JJ assegurou o cobiçado título por equipas de Adultos, seguida no pódio pela Gracie Barra e pela BPT. A Gracie Barra venceu também o troféu de equipas nas Crianças e Masters, enquanto que a Icon levou ainda o troféu de estreantes.

 

Quanto aos faixas pretas a concurso, esses mostraram o porquê de, apesar de não talvez tantos a concurso como a audiência gostaria de ver (por exemplo Maria Santos, da BPT, foi a única faixa preta feminina presente), serem definitivamente capazes de lutar de igual para igual seja em qual for o torneio ou adversário ou palco.

 

No torneio absoluto, bem, o pavilhão parou, veio abaixo, levantou-se em alvoroço e veio abaixo novamente em extâse. 3000 pares de olhos presentes focados em admiração num único tapete, ao nível dos maiores eventos desportivos do mundo.

 

No peso Pena, Nélson “Pincel” Teixeira, da Icon, conseguiu vencer e finalizar Victor Marinho da AOF. Infelizmente não houve disputas nos pesos Leve, mas nos Médios, Pedro “Paquito” Ramalho (Focus), no dia em que viu oficializado o seu regresso à Copa Pódio, venceu a categoria perante Pedro Mendonça, da Pantera Negra. Nos Meios-Pesados, o solitário Diego Cavalcante da Cícero Costa infelizmente também não teve luta, já que a única outra categoria com atletas foi o Pesadíssimo, em que o Pantera Negra Rúben Fonseca levou a melhor perante Pedro Santos da Focus.

 

No torneio absoluto, bem, o pavilhão parou, veio abaixo, levantou-se em alvoroço e veio abaixo novamente em extâse. 3000 pares de olhos presentes focados em admiração num único tapete, ao nível dos maiores eventos desportivos do mundo. Na primeira semi-final, o Pena “Pincel” não fugiu da luta e enfrentou um Pesadíssimo e fortíssimo Rúben Fonseca. Fonseca impos o seu poderio físico, fazendo bom uso dos seus 30kg de vantagem para derrubar, passar e amealhar pontos enquanto ameaçava estrangulamentos vários, perante uma defesa raçuda e cheia de classe de Pincel, que acabou por sobreviver os 10 minutos.

 

Na outra semi-final, Paquito, como já nos habituou, chamou para a guarda, onde mostrou que uma pegada de aço aliada a uma mobilidade digna do cirque du soleil são de facto ferramentas geniais, tendo conseguido raspar Diego Cavalcante, que quando defendeu uma passagem deixou uma aberta de uma fração de segundo que Paquito capitalizou para finalizar uma anaconda, naquela que terá sido a submissão do dia. Na final, já que em equipa que ganha não se mexe, Paquito e Fonseca usaram as mesmas estratégias: guarda móvel para Paquito, poderio físico a partir do topo para Fonseca. Paquito levou a melhor, conseguindo raspar, ameaçando entrar nas costas, e eventualmente mais uma vez fazer com que a defesa da posição abrisse a ofensiva para a submissão, finalizando na lapela, ganhando assim o seu segundo ouro do dia, e valendo também uma viagem para o mundial de 2018 na Califórnia.

 

Esperamos à altura da escrita do artigo que seja editado o vídeo com os melhores momentos do evento, já que de facto o nível competitivo presente é do melhor possível, merecendo ter uma divulgação condigna e adequada para chegar a todos os olhos interessados no desporto.

 

Por Diogo Trigo

 

*Segue a coluna de Diogo Trigo aqui: http://jiujitsuportugal.com/category/open-mat-a-coluna-de-diogo-trigo/

 

*Resultados nacional Open 2017: http://jiujitsuportugal.com/2017/12/11/gracie-barra-e-icon-jj-team-sao-as-grandes-vencedoras-do-nacional-open-2017/

 

 

 

GRACIE BARRA E ICON JJ TEAM SÃO AS GRANDES VENCEDORAS DO NACIONAL OPEN 2017

22814384_1499270746825148_597538951645758965_n

 

Decorreu no passado Sábado (9) em Lisboa, o Nacional Open Portugal – 2017 evento organizado pela Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro.

 

A prova que encerra o calendário desportivo português, teve como grandes vencedoras a Gracie Barra e a Icon JJ Team.

 

Fica com os principais resultados:

 

Crianças
1 – Gracie Barra – 139
2 – Focus Jiu-Jitsu – 94
3 – Youngzilion Jiu-Jitsu – 81

 

Estreantes
1 – Icon JJ Team – 45
2 – Brazilian Power Team – 26
3 – Gracie Barra – 18

 

Master
1 – Gracie Barra – 155
2 – Icon JJ Team – 109
3 – Brazilian Power Team – 94

 

Adulto
1 – Icon JJ Team – 77
2 – Gracie Barra – 58
3 – Brazilian Power Team – 48

 

Resultados finais Nacional Open Portugal – 2017: https://www.ibjjfdb.com/ChampionshipResults/859/PublicResults?lang=pt-BR

 

 

 

EM DIRECTO: SEGUE O NACIONAL OPEN DE JIU-JISTU 2017

 

 

Segue em directo o Nacional Open de Jiu-Jitsu 2017, prova que encerra a época desportiva da Arte Suave portuguesa.

 

*Domingo 10, não percas a entrevista excluiva com o Professor Rodrigo Pereira!

 

 

RODOLFO VIEIRA NA CIDADE NO PORTO, POR DIOGO TRIGO

received_2078440188841552

Diogo Trigo (Faixa-azul à esq. da imagem) esteve presente no seminário que Rodolfo Vieira deu no Porto. Foto: divulgação

 

Tive a oportunidade de assistir a um dos seminários de Rodolfo Vieira na cidade do Porto desta semana.

 

Como se poderia esperar, o lendário competidor é extremamente simpático e ótimo instrutor. Abriu o seminário com uma sessão de perguntas e respostas, onde não se coibiu de abordar temas mais pessoais, como rivalidades acesas, a questão de voltar ao jiu jitsu competitivo em vez de se manter no MMA como era a sua ideia original (basicamente uma opção monetária) e o que podemos aguardar para o futuro. Podemos avançar em primeira mão que vem aí uma super luta sem pano num evento de topo, contra um dos atletas do topo mundial, que por pedido do próprio não vamos adiantar enquanto não estiver 100% confirmado.

 

Na parte da técnica, uma sondagem breve demonstrou que a maior parte da audiência preferia uma técnica de passagem em vez de um jogo de guarda, pelo que Rodolfo esteve cerca de duas horas a passar pormenores que engrandeceram em muito uma técnica tão simples como a passagem toureando, mostrando diferentes alternativas para consolidar a passagem, tomar as costas, ou finalizar no braço.

 

Após o seminário, Rodolfo fez questão de rolar com a audiência, e apesar de não ter conseguido treinar com toda a gente, rolou competitivamente, mas de um modo bastante leve, com cerca de metade, desde faixa branca até ao faixa preta Marcão Carneiro, que proporcionaram um bom espetáculo inesperado para a audiência.

 

Audiência essa que consistia desde faixas brancas recém iniciados até faixa marrom bem avançadas, das mais variadas academias, da GFTeam a ArtSuave, passando por Focus, Cícero Costa, Icon, 10th Planet, e por aí fora. De enaltecer a simpatia quer de Rodolfo Vieira, quer da parte da organização do seminário, que em semana de campeonato nacional abriu as portas da sua academia e acolheu calorosamente todos os interessados, sem a menor preocupação com ‘políticas ou afiliações’. De louvar, e definitivamente a repetir.

 

*Segue a coluna de Diogo Trigo aqui: http://jiujitsuportugal.com/category/open-mat-a-coluna-de-diogo-trigo/

 

Por Diogo Trigo

 

 

 

 

 

RODRIGO PEREIRA: “NÃO COMPACTUO COM PROFESSORES E ATLETAS FAKES”

9395_638187656216292_1049493292_n

Rodrigo Pereira é uma conhecida voz critica daquilo que se desvia da sua visão do que deve ser a linha da Arte Suave. Foto: JJP

 

“Sem papas na língua”. Esta poderia ser uma expressão para definir a imagem de Rodrigo Pereira, mas a verdade é que há muito mais para dizer do professor e líder da Academia Integração. Aluno do Mestre Élcio Figueiredo e com ligações de treino e amizade a algumas figuras do Jiu-Jitsu mundial como Gabriel Rollo “Palito” e Michelle Nicolini, Rodrigo não se faz rogado quando encontra alguma situação que não respeite o Jiu-Jitsu da forma séria e verdadeira como ele a concebe.

 

Fazer um trabalho sério é aliás uma das coisas que refere como mais importantes na prática da arte suave. Há mais de uma década em Portugal e a dar aulas em Vila Nova de Gaia, o professor Rodrigo Pereira abriu o jogo ao nosso site em uma entrevista exclusiva!

 

 

JJP – Quem é o Rodrigo Pereira?

Rodrigo Pereira –  Sou um professor de Jiu-Jitsu, tenho 38 anos,  moro em Vila Nova de Gaia, cidade onde também dou aulas de Jiu-Jitsu e que vive em Portugal há 11 anos. Como pessoa e professor de Jiu-Jitsu levo os princípios da arte muito a sério.

 

JJP – Como apareceu o Jiu-Jitsu na tua vida?

RP -  Em 1994 o meu pai levou para casa as antigas cassetes de vídeo (VHS) com filmagens do UFC. Este foi o meu primeiro contacto e fiquei logo impressionado. No entanto,  onde eu morava não havia nada daquilo.

Passados uns anos descobri que um amigo meu estava a praticar Jiu-Jitsu, ele na altura já era faixa azul, e levou-me a um treino. Desde então, não passou um dia na minha vida em que não respire Jiu-Jitsu.

 

JJP – Porque decidiste vir viver para Portugal? Foi fácil a integração?

RP – Lembro-me que na altura estava para pegar a faixa preta e queria mudar, tentar a vida noutro lugar. Escolhi Portugal porque tinha uma pessoa conhecida cá. No inicio a adaptação foi difícil, principalmente por causa do clima, mas depois acostumamos-nos.

O facto de ter vindo para Portugal como faixa preta criou-me algumas oportunidades e abriu-me algumas portas. Lembro-me que na altura no Porto só tínhamos dois lugares para treinar, um era a antiga academia do Manoel Neto, a quem sou muito grato por ter me aberto a porta para eu poder treinar e ter me apresentado  pessoas com quem mantenho amizade.

 

JJP – Consideras que actualmente São Paulo é a capital do Jiu-Jitsu no Brasil destronando o Rio de Janeiro?

RP – Não,  eu acho que um bom lutador pode aparecer em qualquer Estado ou cidade. Só precisa de oportunidades. Às vezes aparece uma “jóia” numa cidadezinha minúscula mas o cara não tem onde treinar. Então, ele vai para uma grande metrópole e ai sim aparece para o mundo. Na minha cabeça essa guerra territorial não existe.

 

JJP – O Brasil perdeu a importância no panorama internacional para os Estados Unidos ou Abu Dhabi? Porquê?

RP –  Se perdeu foi por causa de dinheiro e oportunidades. O negocio do Jiu-Jitsu neste momento é nos EUA, até porque as grandes e reais competições são lá. Se  Abu Dhabi  é uma referencia no panorama internacional do Jiu-Jitsu? É, mas por questões financeiras. Só isso. Isto porque,  treinar é no Brasil e nos EUA.

 

JJP – Qual o caminho que o Jiu-Jitsu está a tomar? Como vês o Jiu-Jitsu dentro de 5, 10 ou 20 anos?

RP –  Crescimento, mas isso  todos vemos. No entanto, tem que se ter algum cuidado porque a quantidade pode vir a dar um abanão na credibilidade e na qualidade. Como Jiu-Jitsu não é uma moda não vai cair em “desuso” até porque a eficiência está mais que comprovada. Eu entendo que o Jiu-Jitsu é a única luta que uma pessoa pode praticar até ao fim da sua vida.

 

20800014_2161891257188974_3854270559544328151_n

 

 

JJP – Como vês o estado do Jiu-Jitsu em Portugal?

RP -  Eu cheguei a Portugal há 11 anos e desde então vejo que cresceu e que já temos treinos duríssimos. Por outro lado, temos o crescimento desenfreado e como consequência também vemos muita coisa errada.

 

JJP – Que coisas erradas?

RP – A titulo de exemplo, determinada pessoa vir do Brasil para dar um seminário, ou até mesmo em férias e graduar alguém com quem nunca treinou. Dar a faixa preta a essa pessoa  e com isso ter cá  uma filial sua. Outro exemplo, um professor graduar um aluno a faixa preta e uma semana ou um mês depois esse aluno criar a sua própria equipa. Por outro lado, saber que em certas academias as crianças treinam no mesmo horário dos adultos o que considero ser uma irresponsabilidade e a até colocar em risco a própria integridade física dessas crianças. Outro exemplo, é a quantidade de “pseudo atletas” que se inscrevem nos milhares de Opens, sabendo que antemão que não vão ter luta na categoria em que se inscrevem, e não optam por mudar de categoria  (peso ou idade) com o único intuito de irem ao campeonato para “pegar uma medalha “ e depois  publicarem nas redes sociais agradecimentos e intitularem-se de campeões! Acho inadmissível, para não dizer “palhaçada”!

 

 

JJP – És um dos mais críticos professores do Jiu-Jitsu português. Sentido crítico apurado?

RP – Sou? Obrigado, mas sempre que faço uma critica é para somar e acrescentar alguma coisa. Simplesmente não compactuo com professores e atletas “fakes. Como já tive oportunidade de referir, eu levo muito a sério o Jiu-Jitsu.

 

JJP – Sendo tu Professor no Grande Porto, és da opinião que existem dois ‘mercados’ do Jiu-Jitsu em Portugal? Um a norte e outro a sul, com claras vantagens para este último? Quais as diferenças entre o Jiu-Jitsu de Lisboa e do Porto?

RP –  Não considero que existam dois mercados.  Na minha opinião quer a Norte quer  a Sul o JJ está forte. A única vantagem vejo a Sul é o facto de existirem mais possibilidades em termos de competição. A dureza está nos dois lados e sei que existem professores sérios e capacitados tanto a Norte como a Sul.

 

 

JJP – Quanto á Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro, como avalias o seu trabalho?

RP - A federação é gerida por pessoas acessíveis e espectaculares. Só acho que falta um pouco mais de pulso firme em alguns aspectos. Como por exemplo punições severas a atletas que não tenham atitudes desportivas adequadas com os árbitros durante os campeonatos. Também acho que deveriam realizar, pelo menos, mais duas competições por ano. Sendo que uma seria o Nacional de No Gi. Também deveriam criar um circuito Nacional Open, com somatório de pontos, e aí sim teríamos como falar que um determinado atleta era o Campeão Nacional!

 

JJP – A FPJJB aumentou substancialmente o valor da inscrição para o Nacional Open. O que pensas desta medida?

RP – Ainda bem que fazes esse pergunta. Pelo facto de me preocupar com os meus alunos, procurei saber o porquê e a justificação que me foi dada assenta na IBJJF agora estar interligada com FPJJB. Ou seja, já não é novidade que a Federação Internacional visa o lucro, o factor monetário, e isso acabou por refletir-se no valor da inscrição para o  Nacional Open. Aproveito e também quero referir que não concordo com prémios só para o Absoluto. Porque isso, salvo raras exceções,  só dá chance para os pesos pesados. Sou da opinião de “pagar” menos, redistribuir esse valor,  mas premiar todas as categorias, inclusive os Masters (o valor de inscrição dos Masters é o mesmo dos Adultos). Acho que também poderiam variar e fazer um Nacional no Norte, porque neste momento só temos uma competição oficial a Norte.  A minha sugestão é fazer-se o Nacional um ano a Norte e no ano seguinte a Sul  e assim sucessivamente.

 

 

JJP – O curso de professores promovido pela FPJJB foi importante para o nosso desporto ou serviu para deixar para segundo plano problemas mais importantes a serem resolvidos, ficando tudo na mesma?

RP - Nós, os “sérios”, achávamos que seria uma óptima alternativa para travar os “fakes”. Mas  eu acho  que me enganei, porque não há nenhum órgão que fiscalize e o que se constata é a existência de mais espaços de Jiu-Jitsu em que não está pendurada na parede a tal cédula.

 

JJP – Como é a tua relação com os outros professores das outras equipas?

RP –  A minha relação é boa com quem é de verdade. Um professor que não respeita o seu próprio mestre, que troca de equipa como quem troca de camisa (pelo ego), que gradua alguém a faixa preta só porque essa pessoa é “um gajo porreiro” – já ouvi um professor a dizer que graduou um aluno por esse motivo – outro exemplo o professor foi graduado por alguém com quem ele nunca treinou,  treinar não é fazer um “rola”. Eu levo muito a sério a minha arte e por isso não compactuo com quem não a leva!

 

JJP – Projectos para o futuro da tua equipa, a Integração Jiu-Jtsu?

RP -  O meu projeto é continuar a fazer um trabalho sério.  Não só ensinar a luta propriamente dita mas também ajudar na formação do carácter dos meus alunos como no passado fizeram comigo!

 

JJP – Queres deixar uma mensagem para a nossa comunidade?

RP –  A minha mensagem é que pensem e levem o Jiu-Jitsu não só como uma luta mas como parte das vossas vidas! Procurem, informem-se, pesquisem e vejam quem será o vosso professor e vejam o que ele fez e faz para o bem da nossa arte!

 

*Se queres saber mais sobre a Academia Integração, clica no link: http://jiujitsuportugal.com/2015/02/09/integracao-jiu-jitsu-portugal-2/

 

Por Paulo Santos e Hugo Miranda

 

 

GRACIE MAGAZINE DESTACA EVENTO REALIZADO EM PORTUGAL

Capturar     O evento do passado dia 18 de Novembro , foi novamente notícia na media internacional. Desta vez a conhecida revista Gracie Magazine, num post no instagram deu destaque ao evento de Almada referindo a ligação entre a “Turma do Oss” e a “Galera do Aloha”.

 

Confere aqui: https://www.instagram.com/p/BcNZj1xA8_7/?taken-by=graciemag_br

 

Evento realizado em Amada, Portugal é destaque em vários media: http://jiujitsuportugal.com/2017/11/28/destaque-nos-media-nacionais-e-internacionais-a-nova-imagem-do-jiu-jitsu-portugues/

 

RIO DE JANEIRO RECEBEU A 8ª EDIÇÃO DO EVENTO LUSO-BRASILEIRO ‘ROLL&TALK JIU-JITSU’

23915576_908346682655220_7960587939234519955_n

 

Realizou-se no passado Sábado (28 Novembro) no Rio de Janeiro, a 8ª edição do Roll&Talk Jiu-Jitsu 2017. O evento contou com a presença de professores e treinadores de diversas áreas que  fazem parte do mundo das lutas. O evento contou com a chancela e o apoio da Federação de Jiu-Jitsu Desportivo do Rio de Janeiro, o que é um fato marcante, receber o reconhecimento de uma Federação que tanto faz pelo desporto.

 

À organização o presidente da FJJD Rogério Gavazza, deixou uma mensagem para os lutadores de Portugal:

 

“Fala Galera de Portugal, praticantes de jiu-jitsu e de outras modalidades de luta. Meu nome é Rogério Gavazza, sou presidente da Federação de Jiu-Jitsu Desportivo do Rio de Janeiro e vice presidente da CBJJD. Tive a honra de ser convidado para a edição do ROLL & TALK, projeto idealizado pelo professor e grande amigo, Luiz Dias, que em parceria com o professor Luiz Pedro Gomes, realizou com sucesso o evento em um Hostel no Grajaú. O evento contou com palestras de professores de Educação Física, faixas pretas de judô, Jiu-Jitsu e Karatê, além de finalizar com uma seção de YOGA, tendo a cada intervalo, um bate papo (talk) regado a frutas com pasta de amendoim, mate, salada de frutas funcional e sucos. De forma bem descontraída e de informalidade, mas com o compromisso de passar os conhecimentos de cada profissional, o Roll & Talk realizado neste final de semana, atendeu todas as expectativas. A Federação já está planejando uma parceria e nos próximos anos, colocar o evento em seu cronograma de cursos e seminários. Parabéns a todos os envolvidos.”

 

Já está a ser preparada a edição do próximo ano. Até 2018!

 

 

 

 

 

MEDALHAS PORTUGUESAS DO ‘2017 PARIS OPEN DE JIU-JITSU’

collage

João, Ana e Paulo; 3 portugueses que subiram ao mais alto lugar do pódio em Paris. Foto: divulgação

 

Decorrido no passado fim-de-semana, o Paris International Open Jiu-Jitsu 2017 confirmou que o Jiu-Jitsu nacional continua a alcançar excelentes resultados desportivos em provas realizadas um pouco por todo o mundo.

 

Resultados dos portugueses:

 

CarlsonGraciePortugal (Informações AQUI)

 

João Moreira – Ouro na categoria

 

Brazilian Power Team

 

Paulo Soares – Ouro peso e absoluto NO GI master 2

Paulo Soares – Prata master 2 meio pesado marrom

 

Kombat Klub Torres Novas

 

Ana nair dias – Ouro no gi 53.5kg
Ana nair dias – Bronze no gi absoluto
Ana nair dias – Bronze cat. 53.5
Jose carlos sousa – Bronze 70kg

 

NOTA: Para publicação dos resultados dos atletas nacionais envia um email para info@jiujitsuportugal.com até 48 horas após o evento.

 

 

 

 

 

 

 

 

SEMINÁRIO: IRMÃOS RIOU TRAZEM A PORTUGAL ALEXANDRE VIEIRA

Alexandre Seminario Bjj

 

Alexandre Vieira, começou a sua jornada no Jiu-Jitsu em 1997 na academia Carlson Gracie. Recebeu mais tarde a faixa Preta das mãos do conhecido  Murillo Bustamante líder da BRAZILIAN TOP TEAM, equipa que hoje representa.

 

O Campeão Mundial NO GI foi protagonista este ano de uma das melhores e mais “visualizadas” finalizações nos quartos de final do Grand Slam da UAEJJF em Abu Dhabi através de um belo “Loop Choke”. Está de passagem por Portugal e vai dar um Seminário aberto a todas as equipes na academia RIOU JIUJITSU no Estoril. As vagas são limitadas. Não percas está oportunidade de afiar o teu jogo.

 

ASSOCIAÇÃO RIOU JIU-JITSU PORTUGAL

 

+351 910 964 964

+351 968 450 018

+351 963 787 486

 

 

DESTAQUE NOS MEDIA NACIONAIS E INTERNACIONAIS: A NOVA IMAGEM DO JIU-JITSU PORTUGUÊS

jiu-jitsu-portugal

 

Ainda recentemente, em anos não muito longínquos, o Jiu-Jitsu estava colado a uma imagem que nenhum de nós se podia orgulhar. Por norma as referências nos media tinham ligações a ‘casos de polícia’.

 

Felizmente os tempos são outros e aos poucos, a imagem da Arte Suave vai mudando aos olhos da opinião pública. Cada vez mais um desporto para todos, novas, renovadas e convidativas academias e atletas medalhados em eventos internacionais que fogem ao estereótipo do lutador. Todas estas mudanças atraem os olhos de quem procura o novo fenómeno, mas também das publicações de referência que começam a olhar cada vez mais para o nosso país, não apenas quando se realiza o Europeu da modalidade.

 

Exemplo desta ‘atenção’ foi a publicação hoje de uma notícia numa das maiores publicações especializadas do planeta, a revista TATAME sobre o evento que ‘rolou’ no passado Sábado em Almada.

 

Também aquela que será a maior plataforma de desportos de ondas de Portugal e que conta com muitos milhões de visitas anualmente, o site BeachCam, publicou um artigo sobre a cada vez maior presença de praticantes de Jiu-Jitsu nas ondas e surfistas (Bodyboard, Sup, BodySurf incluídos) nos tatames.

 

E assim se vai construindo uma imagem que todos queremos para o Jiu-Jitsu: academias cheias, de gente feliz e saudável. Bons treinos e boas surfadas!

 

Link para artigo da TATAME: https://tatame.com.br/2017/11/28/colunista-da-tatame-lidera-evento-em-portugal-sobre-a-uniao-do-jiu-jitsu-e-o-surfe-assista-e-opine/

 

Link para artigo da BeachCam: http://beachcam.meo.pt/newsroom/2017/11/artes-marciais-e-surf-em-harmonia/

A INCLUSÃO DO JIU-JITSU COM O SURF, POR LUIZ DIAS

jiujitsu-e-surf-amizades

Praticantes das duas artes (surf e Jiu-Jitsu) reunidos para discutir novos projectos para o futuro. Foto: AHUA

 

A inclusão do Jiu-Jitsu com o Surf e seus benefícios*

 

Artigo publicado na TATAME que podes ler aqui: http://jiujitsuportugal.com/2017/11/19/os-detalhes-e-licoes-em-uma-entrega-de-faixas-por-luiz-dias/

 

O Jiu-Jitsu e o Surf possuem uma grande afinidade, um complementa o outro. Grande parte dos lutadores são surfistas, tanto aqui no Rio como em vários países que possuem ondas, existindo até campeonatos de Surf exclusivos para faixas preta. A associação entre o Surf e Jiu-Jitsu é inevitável. Acredito que essa união já faz parte do estilo de vida de muitos lutadores, como de muitos surfistas também.

 

A busca de uma vida saudável é muito importante para a imagem do nosso esporte, que ganha cada vez mais praticantes, sempre ligados a uma qualidade de vida e saúde. Após um fato memorável na praia do Arpoador, a Arte Suave despertou a atenção dos surfistas para a Arte Suave. E na contramão do evento, muitos lutadores foram para o mar surfar. Os estilos de vidas do surfista e do lutador são parecidos, cuidados com o corpo e a alimentação. O treino constante e a busca incessante da evolução da técnica aproximam esses dois esportes, sem contar com a confiança que o Jiu-Jitsu traz ao surfista em suas viagens para surfar picos diferentes em seu país ou no exterior.

 

A defesa pessoal sempre preservou a integridade física de muitos surfistas e abriu muitas portas também. O Jiu-Jitsu promove uma ponte com os surfistas e lutadores locais, promovendo uma integração e respeito mútuo. E a cultura do Jiu -Jitsu ganha uma segmentação nas ondas do mar. Muitas amizades nascidas no tatame são fortalecidas no Surf. Acabo de participar em Almada, Portugal, de um evento onde dei um seminário de Jiu-Jitsu para surfistas e lutadores locais no dojô do faixa preta Pedro Romana. Foi muito bom ver a integração entre todos, com a presença de shapers locais famosos, como Nuno Mesquita, da AHUA, Marco Santos, da Blood Brothers, e o editor do site Jiu-Jitsu Portugal, Paulo Santos.

 

Durante o evento, era nítido ver tanto lutadores interessados em surfar, como surfistas que não conheciam o Jiu-Jitsu, começando a arriscar movimentos fundamentais da nossa Arte Suave. Quem já treinou e depois foi surfar, ou o contrário, sabe como é bom, como ambos se completam. Durante esse encontro, assuntos de Surf e Jiu-Jitsu alternavam entre as conversas. Posso afirmar que como o Jiu-Jitsu me possibilita fazer mais amigos onde vou surfar. A integração com os locais flui melhor. Novas amizades e, por muitas vezes, a possibilidade de surfar picos que fogem dos roteiros conhecidos. O convívio entre os locais permitem conhecer melhor a cultura local também. O Jiu-Jitsu, além de uma arte marcial, uma filosofia de vida, pode ser um vetor de novas amizades e integração entre as pessoas de países e culturas diferentes.

 

Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Boa semana, bons treinos e até a próxima!

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/

 

24115419_10212375735923426_1933155775_o

 

 

VÍDEO: JIU JITSU E SURF REUNIDOS EM ALMADA NUM EVENTO PROMOVIDO PELA MARCA DE HANDPLANES ‘AHUA’

YouTube Preview Image

 

A Ahua abraça o Jiu-Jitsu pela mão do reconhecido Mestre brasileiro Luiz Dias da GAS JJ.

 

Realizado na academia do Professor Pedro Romana no passado Sábado (18), o workshop juntou as tribos da luta e do surf, tendo proporcionado mesmo para quem nunca praticou estas modalidades uma experiência única.

 

Num ambiente de partilha e diversão, os lutadores ficaram a saber mais sobre o bodysurf e a Ahua e os surfistas tiveram o primeiro contacto com o Jiu-Jitsu. O dia terminou com uma visita à sala de shape da conhecida marca de pranchas de bodysurf, Ahua!

 

Sabe mais sobre a Ahua aqui: http://www.ahuasurf.com/

 

“Depois de surfar umas ondas é impossível sair da água sem um sorriso na cara. Sua mente descansa e certamente você vai render mais nos treinos”, Luiz Dias, Professor da equipa GAS JJ – 100kg.com.br

 

BANNER_930X120PX

 

 

8ª EDIÇÃO DO EVENTO LUSO-BRASILEIRO ‘ROLL&TALK JIU-JITSU’ REALIZA-SE NO RIO DE JANEIRO

23897589_1477707365615919_749839172_n

 

Um evento que acontece uma vez por ano no Brasil e em Portugal está de regresso e já vai para a 8ª edição.

 

No próximo fim-de-semana 25 e 26 de Novembro, irá acontecer a edição deste ano do Roll&Talk Jiu-Jitsu no Rio de Janeiro, Brasil. Reunindo lutadores de diversas artes marciais de diversas equipes. Neste encontro onde o objetivo e aprofundar e conhecer modalidades como Jiu Jitsu, Defesa Pessoal, Judô, Karatê, Muay Thai, Yoga e Coaching pessoal.

 

Esse encontro está sendo liderado pelos faixas pretas Luiz Dias líder da equipe GASJJ e Luiz Pedro professor da equipe Gavazza e responsável técnico da equipe de JJ da UFRJ.
É uma oportunidade de todos os lutadores terem um contato com outras lutas que normalmente não praticam.

 

Contatos: 9924 30727
Instagram: @luizpedropitt

 

Segue o cronograma do evento abaixo:

 

Dia 25

 

12:00 Luiz Pedro e Luiz Dias – Abertura do Evento,

12:30 Fernando Petriz – Preparação Física Funcional

13:20 Gelson – Karatê

14:10 Rafael Bragança Ferreira – Jiu-Jitstu Desportivo

15:00 Luiz Dias – Jiu-Jitsu/Defesa Pessoal

15:50 Tamara di Bartolo – Yoga

 

Dia 26

 

12:00 Luiz Pedro e Luiz Dias – Abertura do Evento,

12:30 Valeria Chaves – Coaching

13:20 Fábio Cavalieri – Judô

14:10 Gabriel de Luna – Karatê/Muay Thai

15:00 Luiz Pedro – Jiu-Jitsu/Defesa Pessoal

15:50 Tamara di Bartolo – Yoga

 

 

 

‘BPT – INTERNACIONAL’ E ‘YOUNGZILIAN JJ’ CONQUISTAM 57 TROFÉUS EM FRANÇA

7171d5_41784e7429704eafb532f202197909f9~mv2

 

 

No passado dia 18 de Novembro (Sábado), a equipa Brazilian Power Team Internacional juntamente com a Youngzilion Jiu-Jitsu participaram no NAGA EUROPE 2017 em Amiens (França).

 

Com a presença de 41 atletas conseguiram conquistar um total de 57 Troféus (14 cintos, 7 ouros, 20 pratas e 16 bronzes).

 

Uma vez mais a conhecida equipa portuguesa a dar cartas no cenário internacional e a provar que o Jiu-Jitsu Português esta entre os melhores do mundo.