O JIU-JITSU COMO AMIZADE DENTRO E FORA DOS TATAMES, POR LUIZ DIAS

12814343_10208770960496588_8552716085445209077_n

Uma amizade que começou nos tatames juntou no Rio de Janeiro um dos melhores treinadores de chão do MMA, um carismático colunista e Professor de Jiu-Jitsu, um dos mais conhecidos jornalistas do Brasil e um português apaixonado pela cultura da luta. Foto: Angela Santos

 

O Jiu-Jitsu como amizade dentro e fora dos tatames*

 

O Jiu-Jitsu sempre faz pontes, forma grandes amizades. Quem já vivenciou isso, entende o que estou falando. Uma confraria, tenho oportunidade em viajar e vejo esses desdobramentos. Locais me levando a outras academias, lugares lindos, mas escondidos fora dos eixos do turismo local, e que nem sempre um turista normal conhece.

 

Já surfei em picos que nem estradas tinham, praticamente trilhas, levadas por amigos feitos nos treinos dos lugares em que eu estava. Eu sempre tratei bem as visitas no meu dojô, porque proporcionam diferentes treinos e assim vamos evoluindo também. O aprendizado é mútuo. Os treinos podem e devem ser duros, afinal, treino é treino. Mas existe a amizade e o intercâmbio entre os lutadores, o foco é o aperfeiçoamento do seu Jiu-Jitsu.

 

“Devemos receber bem as visitas. Não devem ser vistos como “inimigos” e sim como amigos, porque são excelentes momentos de testarmos nossos desempenhos fora dos campeonatos, fazer ajustes e rever posições e movimentos. Com as visitas também devemos treinar atentos, graduando seu treino ao momento do seu parceiro de treino.”

Devemos receber bem as visitas. Não devem ser vistos como “inimigos” e sim como amigos, porque são excelentes momentos de testarmos nossos desempenhos fora dos campeonatos, fazer ajustes e rever posições e movimentos. Com as visitas também devemos treinar atentos, graduando seu treino ao momento do seu parceiro de treino. Respeitar o dojô que visita e todos ali. Esperar que o professor case as suas lutas. Novas amizades se formam, sempre uma escola de Jiu-Jitsu tem posições e movimentos mais particulares, logo, esses intercâmbios são bons.

 

Há uns meses, recebi no meu dojô um lutador, Diego Conceição, vindo do Rio Grande do Sul. Ele veio na primeira vez indicado por outro lutador, que por sua vez, tinha sido indicado por um amigo. Assim, essa teia de amizade vai se entrelaçando. Recentemente, esse meu amigo veio ao UFC Rio e voltou ao meu dojô para um treino. Quem viaja, sabe como o quimono domina uma mala, uma mochila. Mas trouxe para dar um treino. Fiquei feliz em ver que, ao planejar sua viagem ao Rio, já planeja uma visita na academia.

 

Esse é o espírito de irmandade que temos de ter no Jiu-Jitsu, a rivalidade que fique na área de luta nos campeonatos. Além dele, treinar com lutadores que normalmente não treinam, a recíproca é verdadeira. Todos ganham. Trocas de experiências, de posições e, assim, o Jiu-Jitsu de todos vai ficando mais forte, e todos ganham. No futuro, um de nós pode estar indo para o lugar de nossas visitas, para campeonatos ou mesmo para viajar, e chegar no destino sabendo que temos contatos, amigos e local para treinar sempre é bom. Certamente, perceberá que a viagem já terá mais ganhos, terá um lugar para treinar, amigos para contactar. Tudo flui melhor.

 

A alegria de rever amigos e potencializar seu Jiu-Jitsu, porque agora a “visita” será você. Então, estará no outro lado. Para quem compete, é excelente se testar, e para aqueles que ainda não competem ou estão pensando, é a experiência mais próxima de uma competição, e a amizade sempre continua fora dos tatames.

 

Para mais informações, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Boa semana e bons treinos. Oss!

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/

 

 

PRESTAÇÃO DE OURO DOS ATLETAS PORTUGUESES NO OPEN DE ESPANHA DE JIU-JITSU

collage

António, Alexsandre e Ricardo nos pódios em Espanha, em mais um evento em que a prestação dos atletas nacionais nos enche a todos de orgulho. Foto: divulgação

 

Estas são as notícias que gostamos de publicar: ‘Armada Portuguesa’ conquistou 7 medalhas de Ouro no Spanish National IBJJF Jiu-Jitsu Championship (Gi e No-Gi) que se realizou este fim-de-semana em Espanha!

 

Depois de termos noticiado o excelente resultado dos irmãos Daniel e Hugo Riou (aqui), recebemos de outros atletas, as informações sobre as suas prestações no evento de Madrid. E que resultados: 3 atletas trazem para Portugal, mais 5 medalhas de Ouro.

 

Fica a saber que foram os atletas, suas equipas e medalhas:

 

Antonio Nascimento, faixa-preta (Jazzy Fight Club): Ouro categoria e Ouro Absoluto

 

Alexsandro Leko, faixa-preta (Gracie Barra Porto): Ouro categoria e Ouro categoria NoGi

 

Ricardo Cruz, faixa-azul (Pantera Negra): Ouro categoria

 

 

 

 

 

 

 

UMA GRADUAÇÃO DIFERENTE: ATLETA PORTUGUÊS MUDA DE FAIXA NUMA DAS MARAVILHAS DA NATUREZA

large

Foi com esta vista fantástica, que Hugo Palma recebeu das mãos do seu Professor Alex Machado a faixa-roxa de Jiu-Jitsu. Foto: divulgação

 

O novo talento do Jiu-Jitsu nacional, Hugo Palma da equipa lisboeta Gracie Barra Benfica-Lisboa, recebeu a faixa roxa das mãos do seu Professor Alex Machado, no Grand Canyon Skywalk localizado nos Estados Unidos, depois de uma participação promissora no campeonato do Mundo.

 

Fica com o vídeo:

 

 

 

BPT E OS IRMÃOS ‘RIOU’ ESCREVEM UMA PÁGINA HISTÓRICA EM ESPANHA PARA O JIU-JITSU NACIONAL

IMG_20170617_201652

Daniel e Hugo Riou conquistaram as medalhas de Ouro e Prata (respectivamente) no Open de Jiu-Jitsu de Espanha. Foto: facebook

 

 

A equipa portuguesa Brazilian Power Team Internacional conquistou várias medalhas no Spanish National IBJJF Jiu-Jitsu Championship (Gi e No-Gi) que se realizou este fim-de-semana em Espanha!

 

Destaque para os irmãos Daniel e Hugo Riou que após conquistarem o ouro nas categorias de Kimono e sem kimono respectivamente, facturam o Absoluto faixa preta Master 1, fechando a categoria! Grande feito para os atletas lusos que desta forma fazem história em Guadalajara – Madrid! O Jiu-Jitsu português está de parabéns

 

EBI12 – A COROAÇÃO DA WONDER WOMAN, POR DIOGO TRIGO

19184199_10207656549645488_1437922740_n

 

EBI12. A coroação da Wonder Woman.

 

Após 11 torneios centrados nos homens, está na altura das senhoras serem o foco das atenções no próximo EBI. E que torneio esse será! Se anteriormente a promoção teve algumas dificuldades em assinar alguns dos nomes sonantes masculinos da IBJJF, as senhoras não se fizeram rogadas e apresentam-se ao serviço de armas em riste. O cartaz apresentado, que poderá não ser final, alia como de costume valores consagrados com novas promessas.

 

O nome a ter atenção no torneio será Talita Alencar. Actual campeã mundial da IBJJF no seu primeiro ano em faixa-preta (foi promovida no pódio o ano passado ao ganhar ouro mundial enquanto faixa-castanha) regressa à promoção, desta feita com uma estrelinha dourada à frente do nome. Esta faixa-preta de Julio Cesar Pereira e Theodoro Canal, antiga membro da GF Team e actual representante da Alliance já ganhou títulos mundiais com e sem kimono, sendo também a campeã mundial no-gi faixa-preta em título. Já participou em duas luta-casadas no EBI, incluindo uma derrota por fuga mais rápida por apenas 2 segundos para Lila Smadja, mas tem uma vitória sobre Smadja noutra competição. Terceiro combate tira-teimas?

 

Um obstáculo constante no caminho de Alencar nas suas conquistas mais recentes (mundial e pan-americano) foi a guardeira Kristina Barlaan. Esta faixa-preta de Caio Terra treina actualmente com Gustavo Dantas, e é uma veterana extremamente laureada, tendo sido campeã Europeia faixa-preta em 2016, tri campeã pan-americana na faixa-castanha, prata e bronze mundial sem pano faixa-castanha. A temporada de 2016/17 correu bem a esta atleta, que terminou na posição #14 do ranking da IBJJF, com uma prata no pan-americano e o bronze no mundial.

 

Outra medalhada do mundial deste ano a concurso é Tammi Musumeci. Parceira de treino do irmão e campeão mundial Mikey, com quem começou a treinar com 6 anos e cedo se revelou uma criança prodígio, esta faixa-preta de Emyr Bussade chegou rapidamente às ligas grandes, e tem vitórias sobre nomes grandes como Mackenie Dern (duas vezes, incluindo uma submissão) ou Laurence Fouillat. Foi campeã mundial da faixa azul à castanha, tendo uma prata na faixa-preta em 2014. Foi campeã mundial sem pano em 2014, e ganhou ouro pan-americano em 2014 e 2017. Esta atleta também terminou a temporada no top 20 da IBJJF, especificamente em #19.

 

Jena Bishop é representante da Gracie Humaitá e faixa-preta de Royler Gracie. Tem várias medalhas nos pan-americanos e nos mundiais, incluindo um ouro faixa-castanha no mundial de 2013, e terminou a temporada da IBJJF em #60. Tem um jogo forte a partir da guarda, o que poderá ser bastante útil numa competição onde os atletas que favorecem a pressão do topo ainda não conseguiram chegar ao ouro.

 

Imediatamente a seguir no ranking, o número #61 é a representante da checkmat Pati Fontes. Esta faixa-preta de Lucas Leite é conhecida pelo seu jogo de guarda, que lhe deu títulos mundiais com e sem pano, incluindo ouro faixa-preta sem kimono em 2015. Fontes terá também contas a assentar com Alencar, que a eliminou logo na primeira ronda do mundial deste ano.

 

De New Jersey chega Fiona Watson a concurso. Faixa-preta de Marcinho Bittencourt, esta habitué do circuito IBJJF tem uma prata nos pan-americanos sem kimono em 2016, que contribuiu para fazer parte do top 100 da IBJJF (#96), mas é também experiente neste tipo de espetáculos de submissão, tendo participado recentemente no Fight to Win Pro 31.

 

A representar a Gracie Barra estará Tássia Pimenta, faixa-preta de Rômulo Barral. Terá uma boa hipótese para vingar uma derrota para Talita Alencar por chave de perna no  2 Gi or Not 2 Gi invitational.

Erin Herle é faixa-castanha de Marcelo Garcia e treina actualmente com Cobrinha.  Também ela faz parte do top da IBJJF, sendo o #25 das faixas-castanhas adulta, e alcançou recentemente prata no pan-americano e bronze no mundial. Tendo aprendido com dois dos maiores mestres actuais do desporto, terá muito provavelmente uma boa prestação, mesmo contra faixas-pretas de topo.

 

Lila Smadja é faixa castanha de Eddie Bravo e veterana do EBI, tendo ganho uma luta casada para Talita Alencar no EBI5. Campeã do Gracie Worlds, será provavelmente a atleta mais habituada às regras a concurso, mas não temos a certeza que consiga dominar posicionalmente os combates com alguns dos nomes de topo, o que apesar de tudo sabemos não ser necessariamente crucial para alcançar o sucesso neste torneio. As suas melhores hipóteses de vitória poderão então surgir de submissão por chave de perna ou de uma vitória na morte-súbita.

 

Com apenas 18 anos e no primeiro ano de faixa-roxa, Erin Blanchfield é uma aposta em novos valores. Ainda a estabelecer-se, tem ganho experiência em torneios como o NAGA, onde recentemente alcançou duplo ouro com e sem pano, os pan-americanos sem kimono, onde ganhou em peso e absoluto, ou o Grappling Industries. A frequentar também a academia de Renzo Gracie (com o resto do DDS), poderá ser ela a surpresa da noite?

 

A faixa preta britânica Vanessa English foi a primeira britânica a ganhar um título mundial adulto (faixa-roxa em 2013). Ganhou também ouro no mundial sem pano e por três vezes chegou ao topo do pódio no europeu. É a presença Europeia no torneio, poucas semanas antes do Polaris 5, onde tem também uma super-luta marcada.

 

Gabriella Romero foi recentemente promovida a faixa preta por Mark Bradford e de Alberto Crane. Lutadora de MMA, todas as vitórias são por submissão. Habituada a formatos de lutas-casadas, como o Fight to Win, será interessante ver como se comporta neste torneio.

 

Olympia “Casca Grossa” Watts é faixa castanha de Draculino, no Gracie Barra Texas. Muito raçuda e técnica, medalhou recentemente no pan-americano. Um nome a começar a estabelecer-se, tem hipótese agora de enfrentar alguns dos maiores nomes da arte.

 

Rachael Cummins é uma artista de submissão e lutadora de MMA, com a maior parte das vitórias no cadastro a surgir por submissão. Já anteriormente vimos lutadores de MMA com boas técnicas de chão a chegar longe no torneio, poderá encaixar bem com algumas das competidoras com técnica mais tradicional.

 

Semelhante a outros eventos, a última vaga para o torneio foi para uma aluna da escola 10th Planet que ganhou um torneio qualificatório interno para poder marcar presença, como aconteceu com Nathan Orchard ou o semi-finalista do EBI 10 Ricky Lule. A vaga foi para a jovem Katherine Shen, de apenas 18 anos, mas com 10 anos de experiência de Jiu jitsu. Aluna do finalista e veterano do EBI Richie Martinez, que a promoveu a faixa-roxa imediatamente após a vitória na qualificatória, Katherine admitiu-nos estar relativamente chocada com ter conseguido a qualificação para um torneio desta envergadura. Consciente do valor das adversárias com que se poderá defrontar, Katherine disse-nos que irá trabalhar na sua defesa e recuperação posição durante o tempo que falta até ao torneio, já que as oponentes serão sempre de topo, e que qualquer chance para finalizar apenas surgirá com muita paciência e mestria a procurar a oportunidade certa.

 

Combat Jiu Jitsu

O formato de Jiu Jitsu de Combate faz a sua segunda aparição, com 4 senhoras a lutarem num torneio de jiu jitsu que permite golpes com a palma da mão quando um dos competidores está no chão.

 

Conforme seria de esperar, as competidoras são todas veteranas de MMA especializadas em submissões.

 

A havaiana Ilima-Lei Macfarlane é lutadora invicta da Bellator e metade das suas 6 vitórias surgiram por submissão. Esta faixa-roxa do 10th Planet treina em San Diego na academia dos irmãos Martinez, e tem uma guarda muito técnica que alia a um wrestling e jogo de pressão.

 

A norueguesa Celine Haga é lutadora da Invicta FC. Começou a treinar com o histórico Joachim Hansen, treina agora na Jackson Wink MMA. Veterana de MMA com 24 combates e 7 vitórias por submissão, o seu último combate foi uma derrota por decisão para Amy Montenegro que terminou o combate… inconsciente. Haga conseguiu pôr Montenegro a dormir com um estrangulamento, mas esta foi eventualmente salva pelo gongo e veio ganhar a decisão. Terá agora a hipótese de vingar essa “derrota”.

 

Amy Montenegro tem um registo de MMA de 8-2, incluindo 3 vitórias por mata-leão. Faixa-roxa da Gracie Barra, também ela concorda que a vitória sobre Haga não foi a mais esclarecedora de todas, e também ela fez pressão para haver uma segunda luta.

 

A última competidora é Brooke “The Bully” Mayo. Lutadora amadora de MMA (5-1), fez recentemente a sua estreia profissional na Bellator. Para além de MMA, também compete em jiu jitsu, actual faixa-roxa, e conseguiu um bronze nos pan-americanos enquanto faixa-azul. É uma competidora raçuda e muito atlética.

 

O EBI 12 terá lugar a 30 de Julho, em LA, e poderá ser acompanhado no UFC Fight Pass.

 

Por Diogo Trigo

 

 

TRÊS MEDALHAS DE OURO PARA ‘ARMADA PORTUGUESA’ NO OPEN ITALIANO DE JIU-JITSU

jiu-jitsu-portugal-com

Nuno Sampaio (foto esq. e centro) e Ibraim Ferreira (na foto da dtª) conquistaram mais 3 medalhas de ouro para o Jiu-Jitsu nacional. Foto: divulgação

 

Decorreu nos dias 10 e 11 de Junho, em Florença, Itália, mais uma edição do Open Italiano de BJJ, evento com presença da ‘Armada Portuguesa’, que conquistou 3 medalhas de Ouro.

 

O faixa-preta Nuno Sampaio da equipa SampaioBJJ/ GB Valadares, conquistou o Ouro na categoria com e sem kimono (2 medalhas) e Ibraim Ferreira da Icon JJ Team Porto/ ArtSuave subiu ao mais alto lugar do pódio da categoria na faixa-roxa.

 

 

VEJA A IMPORTÂNCIA DE MANTER O JIU-JITSU COMO UMA ARMA NO MMA, POR LUIZ DIAS

luizdiasericksilva

Luiz Dias (à dir), com Erick Silva (ao centro) e Sérgio Babu (à esq). Foto: Divulgação

 

 

Veja a importância de manter o Jiu-Jitsu como uma arma no MMA*

 

Sempre é bom assistir ao UFC e ver as lutas serem decididas no chão, vendo o nosso Jiu-JItsu sempre entrando em ação, mostrando a eficiência da arte suave. A diferença entre os lutadores que sabem ou não lutar no chão é gritante. Esse artigo surgiu em uma conversa com o meu amigo Sergio “Babu” Gasparelli, faixa-preta de Jiu-Jitsu, Judô e Luta Livre, atualmente responsável pela parte de chão do lutador Erick Silva, que foi escalado no card principal do UFC Rio, no último sábado (3).

 

Já tem um tempo que, no MMA, vemos lutadores de Jiu-Jitsu com um Boxe muito afiado, um Muay Thay impressionante. Acho muito bom, é imprescindível saber trocar em pé, como também saber andar no ringue ou no octógono, achar e encurtar as distâncias, saber atacar e se defender. Mas, às vezes, vendo alguns lutadores com um alto nível de Jiu-Jitsu que sabemos que possui, se portando como um lutador de uma luta em pé, eu não entendo.

 

Tive a oportunidade de assistir lutas em que o lutador, que entrou no MMA sendo sua luta principal o Jiu-Jitsu, ficar evitando o chão, até quando é o seu oponente que o derruba, ele volta a ficar em pé. Nosso Jiu-Jitsu é efetivo, agressivo com finalizações, mesmo sem quimono. Temos de acreditar na nossa arte suave. Creio ser uma boa questão para ser refletida pelos treinadores de MMA. Sempre que posso, treino Jiu-Jitsu sem quimono com meus alunos e amigos. Por que não acreditar mais no nosso Jiu-Jitsu, afinal, o Vale Tudo não foi criado para mostrar a eficiência da nossa arte suave?

 

“Não vejo necessidade de lutador de Jiu-Jitsu ter que vencer a luta por nocaute, ele tem é que ganhar a luta. Se for finalizando, melhor ainda, mais uma vitória do nosso Jiu-Jitsu. Finalizar o seu oponente, obrigar o seu oponente a reconhecer a sua incapacidade de sair daquela posição e ter que pedir para parar para não apagar é a essência da arte Suave.”

 

Entendo, e é lógico que um lutador de Boxe, Muay Thay, Karatê e tantas outras artes marciais procurem ficar em pé. É legítimo, claro, sem qualquer dúvida. No MMA, os lutadores treinam chão, ninguém é mais bobo. Na minha academia, temos sempre treino de No-Gi, e conheço outros professores que também incentivam esses treinos, que são muito importantes. Nossa arte suave sem quimono é excelente, eficiente e efetiva. Temos que acreditar e lutar com o nosso Jiu-Jitsu, pelo nosso Jiu-Jitsu.

 

Acredito ser esse o caminho. Se você é lutador de Jiu-Jitsu e vai para o MMA, leve o Jiu-Jitsu como a sua zona de segurança e busque a finalização. Há um tempo, no início aqui do Vale Tudo, quem já acompanhava deve se lembrar, como era emocionante o lutador de Jiu-Jitsu, após a vitória, gritar alto: “JIU-JITSU”, com a torcida gritando “JIU-JITSU” de volta, assim a arte foi ganhando respeito em todos os ringues do mundo.

 

Esse artigo não tem, em nenhum momento, qualquer intenção de diminuir arte marcial nenhuma, mas tem a intenção de lembrar a todos os lutadores de Jiu-Jitsu de como é importante realizar treinos sem quimono, No-Gi. O MMA é difundido no mundo inteiro ao ser televisionado, apresenta lutadores brasileiros brilhando nos ringues, acrescentando mais um aspecto positivo para o nosso país. Nós, professores e lutadores, temos que continuar essa missão, o Jiu-Jitsu é uma arte marcial completa, uma filosofia de vida. Um meio de disciplinar e formar cidadão.

 

Não vejo necessidade de lutador de Jiu-Jitsu ter que vencer a luta por nocaute, ele tem é que ganhar a luta. Se for finalizando, melhor ainda, mais uma vitória do nosso Jiu-Jitsu. Finalizar o seu oponente, obrigar o seu oponente a reconhecer a sua incapacidade de sair daquela posição e ter que pedir para parar para não apagar é a essência da arte Suave. Sempre JIU-JITSU! OSS!

 

Para mais informações, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Boa semana e bons treinos. Oss!

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

 

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/

 

 

 

O GENERAL FABIO GURGEL DEIXA AVISO: “PREPAREM-SE QUE VAMOS BUSCAR O QUE É NOSSO”!

IMG_0349-300x300

 

Após a prestação da sua equipa, a Alliance, no último mundial de Jiu-Jitsu que terminou no passado Domingo (4) na Califórnia, Fábio Gurgel, mais conhecido por ‘General’, escreveu um artigo de opinião no seu site.

 

Gurgel enaltece o trabalho da equipa, dá os parabéns à Atos e avisa os rivais: “Como só felicidade não enche a barriga de ninguém vamos voltar e buscar o que é nosso, preparem-se a temporada começou!”

 

ALLIANCE EU TE AMO!

 

“Acabou a 22ª edição do campeonato mundial de jiu jitsu, e acabou também a maior serie consecutiva de vitórias de uma equipe nesse campeonato, vencemos os 9 últimos anos mas ontem perdemos. No esporte como sabemos não existe imbatível ou eterno e sabíamos que todo ano isso poderia acontecer, trabalhamos duro como sempre e trouxemos nosso melhor time mas dessa vez não foi suficiente. Acreditamos até o final que conseguiríamos reverter uma grande diferença de pontos como ja havíamos feito em outras ocasiões, nossos atletas nos orgulharam com bravura, técnica e acima de tudo respeito, lutamos juntos uma boa luta, e no fundo sempre que damos o nosso melhor saímos realizados, não precisamos nos reerguer pois caímos de pé e já estamos caminhando para o próximo.

 

*Entrevista exclusiva de Fabio Gurgel ao site JiuJitsuPortugal: http://jiujitsuportugal.com/2013/03/26/entrevista-com-fabio-general-gurgel-em-exclusivo-para-o-site-jiujitsuportugal/

 

Meus parabens aos novos campeões que vem fazendo um otimo trabalho comandado por um craque do nosso esporte, André Galvão tem se mostrado além de um excepcional atleta também um otimo professor, seu trabalho tem minha admiração.

 

O mundial foi cheio de grandes momentos como sempre, nossa equipe esteve presente em 6 de 10 finais na preta masculino e vencemos 4, estivemos em 5 de 7 finais no feminino e vencemos 3. Trouxemos a nova geração ao topo com Nicolas Meregali e Marcos Tinoco (ambos inscritos como Alliance International não somaram pontos para Alliance, essa escolha foi um dos momentos difíceis e assumo total responsabilidade pela escalação que não se mostrou a melhor em termos de resultado) se juntando aos já consagrados Bruno Malfacine 9X, Lucas Lepri 4X, Bernardo Faria 5X e Rubens Cobrinha Charles 5X que conseguiu o incrível feito de vencer a categoria pena no Europeu, Pan, Brasileiro e Mundial.

 

No feminino nossa estrela da nova geração deu um show e venceu peso e absoluto se tornando a única atleta do jiu-jítsu (incluindo os homens) a vencer o Grand Slam peso e absoluto na faixa preta, Tayane Porfirio 2X, liderou o time feminino ao nosso 9º titulo mundial entre as meninas,( campeonato que ano passado havíamos perdido) juntamente com Talita Alencar 1X e as já consagradas Andresa Correa 3X e Monique Elias 1X.

 

Estamos no meio da caminhada e tudo que acontecer por aqui servirá de impulso para nosso próximo passo, não lutamos por resultados eles sao o resultado de nossas lutas!

 

Obrigado a todos da família Alliance pelo comprometimento e amor ao nosso time, prometo sempre dar meu melhor e lutar lado a lado com cada um de vocês para juntos concretizarmos nossos sonhos, sou muito feliz em fazer parte dessa família, ver nossa união e amizade me traz mais felicidade que qualquer titulo, porém como só felicidade não enche a barriga de ninguém vamos voltar e buscar o que é nosso, preparem-se a temporada começou!”

 

Fabio Gurgel 4X

 

Alliance Jiu Jitsu 11X

 

Lê mais artigos do ‘General’ acompanhando o seu site: http://fabiogurgel.com.br/news/

MUNDIAL 2017: BUCHECHA COROADO REI E TAYANE RAINHA NA CALIFÓRNIA

17458396_1692377894110869_4018958771437217718_n

 

Antes de enfrentar Leandro Lo na final do absoluto, Buchecha entrou em ação na categoria pesadíssimo. A trajetória até à final começou com vitória sobre Igor Tigrão por pontos (13 a 7) e depois finalizou João Gabriel. Na decisão superou Gustavo Dias por 9 a 0, conquistando a primeira medalha de ouro do dia.

 

Já na final do absoluto, a luta de dez minutos com Lo foi intensa. Buchecha colocou muita pressão em Leandro, que acabou saindo na frente. Mas, numa queda, Buchecha voltou a empatar em 2 a 2.

 

*Bruno Lima da Gracie Barra Benfica-Lisboa conquista o bronze: http://jiujitsuportugal.com/2017/06/03/bruno-lima-conquista-a-medalha-de-bronze-no-mundial-de-jiu-jitsu-2017/

 

*Paquito sobe ao pódio na Califórnia: http://jiujitsuportugal.com/2017/06/04/mundial-de-jiu-jitsu-pedro-paquito-ramalho-sobe-ao-podio-na-california/

 

A decisão final pendeu Buchecha, já que o atleta da Ns Brotherhood sofreu uma punição, pois para se desvencilhar de uma pegada quase fatal do adversário, saiu para fora da área de luta.

 

Buchecha agora é cinco vezes campeão mundial absoluto, com dez títulos no total, igualando os dez de Roger Gracie (três absolutos e sete no peso).

 

Tayane, a nova rainha da Alliance

 

Domínio da Alliance no feminino. Gabi Garci, Dominyka e agora o domínio é de Tayane Porfírio, aluna de Alexandre Paiva na Alliance do Rio de Janeiro.

 

Após ganhar peso e absoluto em todos os grandes torneios do Grand Slam, Tayane fechou com chave de ouro vencendo a final do superpesado a finlandesa Venla. No absoluto, enfrentou e venceu a aluna de Cicero Costha, Nathiely Jesus, ganhando o seu primeiro título absoluto na faixa-preta.

 

Entre as novidades deste mundial, Mikey Musumeci, sagrou-se o terceiro lutador não-brasileiro a ser campeão mundial na faixa-preta. Antes dele, apenas BJ Penn em 2000 e Rafael Lovato em 2007 tinham alcançado tal feito.

 

Resultados por equipas:

 

Adult Male – World JJ Championship 2017

1 – Atos Jiu-Jitsu – 105
2 – Alliance – 88
3 – GF Team – 53
4 – CheckMat – 38
5 – Brasa CTA – 36
6 – Cicero Costha Internacional – 30
7 – Gracie Barra – 24
8 – Nova União – 21
9 – Unity Jiu-jitsu – 19
10 – Ribeiro Jiu-Jitsu – 19

 

Adult Female – World JJ Championship 2017

1 – Alliance – 67
2 – CheckMat – 51
3 – Gracie Barra – 45
4 – Soul Fighters BJJ – 30
5 – Gracie Humaita – 26
6 – Ns Brotherhood – 24
7 – GF Team – 22
8 – Jiu-Jitsu For Life Team – 19
9 – Fight Sports – 18
10 – Cicero Costha Internacional – 15

 

Juvenile – World JJ Championship 2017

1 – Atos Jiu-Jitsu – 126
2 – Gracie Barra – 43
3 – Infight JJ – 39
4 – Team Lloyd Irvin – 34
5 – Alliance – 31
6 – GF Team – 29
7 – CheckMat – 23
8 – Ares BJJ – 18
9 – Brasa CTA – 17
10 – LEAD BJJ – 17

 

Novice – Int. Novice JJ Championship

1 – CheckMat – 43
2 – Gracie Barra – 29
3 – Atos Jiu-Jitsu – 25
4 – GF Team – 20
5 – Gracie Humaita – 19
6 – Marra Senki Brazilian Jiu Jitsu Academy LLC – 18
7 – Nova União – 17
8 – Carlson Gracie Team – 16
9 – Brasa CTA – 13
10 – Baret Submissions – 12

A IMPORTÂNCIA DA FORÇA FEMININA DENTRO DOS TATAMES, POR LUIZ DIAS

luizdiasforçafeminina

 

 

A importância da força feminina dentro dos tatames*

 

Nossa arte suave é um esporte de contato, muito contato corporal. Não tem outra definição para esse aspecto. Por isso, quando um lutador treina com uma lutadora, muito cuidado e respeito com elas. É certo que muitas lutadoras são extremamente fortes, mas normalmente os homens são mais fortes, mais pesados. Então, começam aí os cuidados. Atenção nas pegadas e ganchos. Respeito a essas lutadoras que somam à nossa arte suave para que o esporte siga em crescimento.

 

Até pouco tempo, era um esporte quase que exclusivamente masculino. Há pouco tempo que elas estão tendo mais visibilidade e reconhecimento de mídias, patrocínios e até das marcas, que já produzem quimonos, rashguards e acessórios focados no público feminino. Quimonos cor de rosa são um exemplo disso. Assim, sempre é bom termos no dojo lutadoras dividindo o treino connosco.

 

Há muito tempo, o UFC move multidões por conta de lutas entre as mulheres, e o Jiu-Jitsu já começa a ter suas referências femininas, que inspiram mais e mais mulheres aos tatames. Quando treinamos com uma lutadora, temos de levar em conta e equalizar nossa força. Lutar com atenção. Ainda é um esporte muito masculino, então ainda tem muito a ser trabalhado. Alguns lutadores não absorvem bem a derrota, imagina então ser finalizado por uma mulher? É difícil para muitos absorver isso.

 

“A defesa pessoal para as mulheres é tão importante quanto para os homens, e é mais um ponto a ser muito trabalhado com elas, pois o assédio hoje em dia é grande em qualquer hora e lugar, em qualquer classe social.”

 

Temos de treinar, mas sempre com cuidado. Não precisa impor o golpe no vigor físico. Use mais a técnica. Treine com mais estratégia e treine mais solto. Exigir nos treinos é importante para o desenvolvimento, independentemente se elas são competidoras ou não. Mas como professor, perceba se tem certas lutadoras que elas evitem treinar. Se não querem, respeitem, pelo menos é o que faço aqui na minha academia. É importante que elas se sintam à vontade e treinem felizes, porque assim se sentirão bem e provavelmente mais mulheres entrarão no dojo.

 

O mais difícil é ter um número inicial de lutadoras, depois, normalmente, outras surgirão, chamadas pelas amigas ou até mesmo uma futura lutadora procurando lugar para treinar. Se sentirá mais encorajada a treinar quando encontrar ali outras mulheres para treinar. A defesa pessoal para as mulheres é tão importante quanto para os homens, e é mais um ponto a ser muito trabalhado com elas, pois o assédio hoje em dia é grande em qualquer hora e lugar, em qualquer classe social.

 

Temos de incentivar as mulheres a treinarem, e o primeiro passo é fazer com que se sintam à vontade no dojo. Sem ter de ouvir coisas desnecessárias, piadas ou comentários grosseiros. Acredito que a força feminina nos tatames ainda tem muito a mostrar nos campeonatos e MMA, e acredito que cada vez mais teremos muitas das nossas guerreiras arrebentando no cenário mundial das lutas.

 

Para mais informações, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Boa semana e bons treinos. Oss!

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

 

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/

 

MUNDIAL DE JIU-JITSU: PEDRO ‘PAQUITO’ RAMALHO SOBE AO PÓDIO NA CALIFÓRNIA

11350141_10204188859748299_303843687_n

 

O atleta português da Focus Jiu-Jitsu, conquistou a medalha de bronze no mundial de Jiu-Jitsu, perdendo por 2×0 nas meias finais da maior prova mundial deste desporto.

 

A edição 2017 do World Jiu-Jitsu IBJJF Championship, organizado pela federação internacional, decorre em Long Beach, Califórnia até ao próximo Domingo dia 4.

 

*Bruno Lima conquista o bronze no mundial de 2017: http://jiujitsuportugal.com/2017/06/03/bruno-lima-conquista-a-medalha-de-bronze-no-mundial-de-jiu-jitsu-2017/

 

Por Hugo Miranda/ Paulo Santos

 

BRUNO LIMA CONQUISTA A MEDALHA DE BRONZE NO MUNDIAL DE JIU-JITSU 2017

FullSizeRender

Portugal tem um atleta no pódio da mais importante prova de Jiu-Jitsu a nível mundial. Foto: divulgação

 

O atleta português da Gracie Barra Benfica-Lisboa, conquistou a medalha de bronze no mundial de Jiu-Jitsu, perdendo apenas para o campeão.

 

A edição 2017 do World Jiu-Jitsu IBJJF Championship, organizado pela federação internacional, decorre em Long Beach, Califórnia até ao próximo Domingo dia 4.

 

Por Hugo Miranda/ Paulo Santos

 

 

FPJJB LEVA O ‘GRAND SLAM DE JIU-JITSU’ PARA O NORTE DE PORTUGAL

18836792_1360911130661111_6393045160582399990_o

 

 

Realiza-se no dia 1 de Julho em Matosinhos, o Portugal Grand Slam de Jiu-Jitsu, organizado pela federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro.

 

Para mais infomações clica no link: http://www.fpjjb.com/

 

AUTISMO+JIU-JITSU=POTENCIAL, POR WILL KARAKAWA

 

Os leitores do JiuJitsuPortugal devem-se lembrar do garoto Kenzo karakawa. Kenzo é portador de autismo e a arte suave tem sido um divisor de águas na vida não só do garoto mas de toda família.

 

Kenzo começou a treinar jiu-jítsu há 4 anos e desde então muita coisa mudou: auto-estima, aumento no vocabulário, socialização e controle do hiperatividade foram algumas melhorias que o jiu-jítsu trouxe na vida do garoto. Treinado pelo pai Will karakawa, Kenzo tornou-se não só um competidor mas um desbravador para portadores de autismo. Pela batalha da inclusão em 2014 Kenzo protagonizou junto com a lenda Yuki Nakai a primeira luta exibição organizado pela IBJJF.

 

Em 2015 Kenzo conquistou a medalha de ouro no pan kids na Califórnia, tornando-se o primeiro portador de autismo campeão Pan-Americano. Em 2016 a campanha no pan-americano rendeu-lhe o bronze.

 

E agora em Abril de 2017 o nosso pequeno grande herói embarcou junto com o seu pai- treinador para a cidade de Abu Dhabi nos Emirados Árabes. Participando de 3 grandes eventos na capital do jiu-jítsu mundial.

 

Os resultados foram os seguintes:

 

Festival boys – medalha de prata.
World pro youth – medalha de bronze .

 

Mas foi no World festival de parajiujitsu , evento para atletas com deficiências, o seu maior título até hoje, tornando-se campeão mundial.

 

De acordo com o pai de Kenzo durante essa jornada, muitos momentos foram difíceis e quase desistiram; a participação nestes eventos requer muito tempo e dinheiro. Mas a família segue firme derrubando barreiras, fazendo história.

 

Segue um link de um curto documentário sobre Kenzo karakawa:

 

YouTube Preview Image

 

 

LEANDRO LO E MACKENZIE DERN RECEBEM 15,000 DÓLARES CADA DA IBJJF

top10_lo_960x440-620x284

 

A temporada 2016/2017 da IBJJF teve importantes definições no último final de semana, com a realização do Curitiba Open, última competição que contabilizou pontos para o ranking da Federação antes do Mundial, que se realizará entre os dias 31 de Maio e 4 de Junho, na Califórnia. No torneio em questão, Leandro Lo voltou a brilhar, conquistando o duplo ouro (primeiro lugar no peso e absoluto), e superando assim Erberth Santos na classificação geral, depois de o ter vencido  na final do peso aberto.

 

Assim, depois do Curitiba Open, Lo assegurou a primeira colocação no ranking masculino faixa-preta, terminando a temporada com 1524 pontos. Em segundo lugar, ficou Erberth Santos, que contabilizou 1520,5 pontos. Em terceiro ficou João Miyao, que encerrou o ano de competições com 1137 pontos.

 

Leandro Lo recebeu, como prémio da Federação pelo primeiro lugar no ranking, uma quantia de 15 mil dólares, enquanto Erberth e João foram premiados com 4 mil dólares e mil dólares, respectivamente.

 

*Confere aqui o ranking masculino: http://ibjjf.com/black-belt-male-adult-ranking/

 

top10_mak_960x440-620x284

 

Já no ranking feminino, Mackenzie Dern encerrou a temporada 2016/2017 como líder na faixa-preta alcançando os 1546 pontos. Na segunda posição, representando a Gracie Humaitá, ficou Bia Mesquita, que garantiu 1479 pontos. Na terceira posição Tayane Porfírio, no seu ano de estreia na faixa-preta contabilizou 1350 pontos.

 

*Confere aqui o ranking feminino: http://ibjjf.com/black-belt-female-adult-ranking/