‘ARMADA LUSITANA’ COM ENORME PRESTAÇÃO NO EUROPEU 2018, POR HUGO MIRANDA

 

25508192_2014440808571241_5891753706089886894_n

 

 

Armada Lusitana em grande no Europeu 2018

 

Que os portugueses são bons de Jiu-Jitsu, o mundo já sabia. Faltava apenas uma confirmação. E ao sexto dia de competição, “Nelton Pontos” acabou com qualquer dúvida que pudesse haver. Vários portugueses chegaram às medalhas, com destaque para os vários campeões que o JiuJitsuPortugal tem divulgado, mas Nelton foi o primeiro português a conquistar o ouro na “faixa preta – adulto” num europeu. É um feito que merece destaque e que, com a fornada de excelentes atletas que Portugal tem produzido nas faixas de base, tem tudo para ser um hábito e não uma efeméride.

 

Mas comecemos pelo início. O nosso Europeu bate cada vez mais recordes de atletas e de público. Nas faixas coloridas, foram vários os atletas que tiveram de fazer 6 e 7 lutas para ser campeões de categoria. Sendo que muitos ainda foram ao absoluto, fazer 10 ou 11 lutas num dia é obra. Vem se notando de ano para ano que o Jiu-Jitsu de competição – em especial na categoria Adulto – é uma actividade para profissionais. Há que realçar os atletas portugueses que muitas vezes lutam sem as mesmas armas dos adversários estrangeiros – seja por falta de financiamento ou de cultura desportiva do país. É urgente que as entidades competentes do país reconheçam o esforço destes atletas e respectivas equipas.

 

Há muito que o Europeu deixou de ser um evento para ‘praticantes’ e passou a ser para ‘atletas’. Parabéns também à organização. Os atrasos não são um assunto na ordem do dia e há óptimas condições para atletas e público. Nesta edição os ecrãs de pontuação foram reformulados, com números maiores, sendo assim mais fácil para os espectadores seguir o marcador.

 

Foram muitos os medalhados portugueses, praticamente em todas as faixas e escalões etários. Correríamos um sério risco de omitir alguém se tentássemos enumerar todos. No entanto, vale a pena destacar nomes como Pedro Cadete, Vanessa Pereira, Rafaela Rosa ou Nair Dias que têm chegado de forma consistente às medalhas em grandes eventos. Na faixa preta, Nelson ‘Pincel’ Teixeira venceu a primeira luta nas vantagens e foi derrotado na segunda pelo experiente Isaque Paiva. Rúben Fonseca apanhou outra fera na primeira luta, o famoso Ricardo Evangelista, que finalizou a luta com um mata leão no pé. O brasileiro Pedro ‘Jimmy’ Mendonça que vive e treina em Portugal não teve melhor sorte contra o não menos de elite Jake Mackenzie, sendo finalizado com um estrangulamento pelas costas. Nelton Pontes venceu a primeira luta nas vantagens (3×1), contra Rodrigo Martins, derrotou o experiente Eliot Kelly por uns concludentes 9×0 na meia-final e na final deu um cabaz de natal ao duro adversário Arya Estefamdaz, vencendo por 18×0.

 

Parabéns aos vencedores, em especial aos da casa, mas sobretudo parabéns ao Jiu-Jitsu pela evolução que tem vindo a ter.

 

Por Hugo Miranda