AS LIÇÕES A SEREM APRENDIDAS PELO LUTADOR NA FAIXA-BRANCA, POR LUIZ DIAS

TREINO LUIZ DIAS BJJ - RJ - 27/03/2017

Luiz Dias falou mais uma vez sobre a conduta de um faixa-branca (Foto: Ilan Pellenberg)

 

 

As lições a serem aprendidas pelo lutador na faixa-branca*

 

Continuando sobre o tema de faixas branca, existe também o outro lado da questão. Muitos faixas branca, iniciantes no Jiu Jitsu, mas praticantes de outras lutas, ou pelo fato de serem fortes, ou não entenderem que estão no início da caminhada, se esquecem de dois fatores importantes no treino e na Arte Marcial, que são humildade e respeito. Humildade em entender que são iniciantes em uma arte marcial, então estão ali para entenderem, aprenderem muito ainda com muitos ali, e respeito quando um mais graduado dá oportunidade de treinar com eles.

 

É comum alguns faixas branca partirem para cima muitas vezes, até sem saber o que fazer, e por vezes até lesionam seu parceiro de treino. E o pior, muitas vezes já achando que vão finalizar, querendo finalizar de qualquer maneira. Não põem o foco do treino em aprender a técnica correta, a dinâmica da luta. Acham que o foco naquele momento é finalizar, fazer o seu oponente dar os três tapinhas.

 

“Todos na academia já foram faixas branca, a faixa branca já é uma graduação, eu falo isso direto. Só é faixa branca quem treina, quem nunca treinou não é faixa branca. Seja atento às explicações do seu professor, pratique e veja num colega graduado uma grande chance de aprender, e não um desafio, ou aquela visão “o cara a ser batido!”

 

Existem faixas branca arrogantes, sim. E pagam pelo preço da arrogância, tomando merecidamente um treino mais duro sem necessidade. Muitos acabam ficando até mesmo no início de sua vida na academia, já sem treino. Ser faixa branca não é vergonha ou demérito, apenas mostra que você começou a treinar há pouco tempo. Então respeito e humildade são fatores fundamentais na sua evolução e na de todos, em todas as faixas. Conheço faixas branca bons, que por vezes dão blitz em faixas azul, por isso, meus amigos faixas branca, vamos nos concentrar em aprender técnicas, experimentar as posições, porque as finalizações surgirão no tempo certo e a graduação também.

 

Não encare nesse início seus parceiros de treino como “alvos”. Encarem cada treino como oportunidade de aprender, adquirir ritmo de treino e evolução. Ainda terão muito tempo, lutas na academia e lutas de campeonatos para focar esse objetivo. Comece pelo início, e não pelo meio ou fim. Seja autocrítico, perceba e entenda que está no início de sua caminhada. Treine aprendendo, respeite e escute os mais graduados. Experimente posições, arrisque, mas treine com a mente aberta para aprender.

 

Todos na academia já foram faixas branca, a faixa branca já é uma graduação, eu falo isso direto. Só é faixa branca quem treina, quem nunca treinou não é faixa branca. Seja atento às explicações do seu professor, pratique e veja num colega graduado uma grande chance de aprender, e não um desafio, ou aquela visão “o cara a ser batido!”. O aprendizado não acaba, mas o pensamento errado pode o tornar mais lento, ou até parar sua evolução.
Deixe que seu professor decida o momento em que já pode entrar em campeonatos, não se precipite. Porque falta de humildade e respeito refletem de muitas maneiras, dentro e fora dos tatames, e por vezes já começam com o surgimento de falta de treinos, e assim, menos treinos, evolução mais lenta.

 

Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Boa semana, bons treinos e até a próxima!

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/