EBI 11 – O REGICÍDIO, POR DIOGO TRIGO

received_1863831557228542

 

EBI 11 – O regicídio.

 

A mística do DDS tem sido ligeiramente machucada nos últimos meses, com “O Rei” Gordon Ryan a ter sido submetidos por Felipe Preguiça no mesmo evento em que o seu irmão Nick Ryan foi finalizado por Kennedy Maciel e Preguiça, Garry Tonon a ser submetido com um triângulo aéreo por Cara-de-Sapato, e Eddie Cummings a ser submetido por Geo Martinez no assalto ao título do EBI que faltava à equipa.

 

Mas de volta ao torneio onde esta turma se tem dado melhor, Gordon Ryan tem a hipótese de agora dar a volta por cima. Já que falhou por lesão a edição dos meios pesados, onde foi substituído por Garry Tonon, o bi campeão dos médios e absoluto corta para a divisão abaixo ocupando a vaga do campeão em título e seu companheiro Tonon. É o único anterior ou actual campeão da promoção a competição, e mantém-se ainda o único atleta que venceu todos os combates no EBI em que participou. Fora dos tapetes, tem ultimamente adoptado uma postura agressiva nas redes sociais, desafiando alguns dos maiores nomes do desporto para combates de acordo com as suas regras, com algumas das brincadeiras a roçarem o insulto. Se isso lhe deu alguns seguidores e publicidade, o auto-denominado Rei criou também alguns anticorpos com outros atletas que optam por uma postura mais séria e fleumática. Ao mesmo tempo, vários outros competidores têm contas a ajustar com Ryan a nível pessoal.

 

Apesar de só um atleta já ter vencido um torneio na promoção, vários são os vice-campeões que regressam a tentar de novo chegar ao cinturão, dispostos a depor o autodenominado “Rei”.

 

Kyle Griffin recentemente preferiu deixar o braço partir a submeter para chegar à final do torneio dos médios, onde submeteu para Gordon Ryan com uma chave de calcanhar. Corta agora também ele para a divisão abaixo para tentar uma nova final, preferencialmente sem se lesionar pelo caminho. Este excelente wrestler, já submeteu John Fitch e derrotou Rómulo Barral.

 

Outro finalista da competição é Richie “Boogeyman” Martinez. Irmão e parceiro de treino do tri-campeão do EBI Geo Martinez, Boogey ainda não conseguiu assegurar o seu troféu na promoção, tendo perdido a final para Garry Tonon no primeiro EBI, tendo sido submetido por Darragh O’Conaill no EBI 3 e por Matheus Diniz no EBI 6. Com um estilo muito pouco convencional, tem ultimamente regressado aos fundamentos, tendo trabalhado nas pegas de kimura e tomadas de costas, bem como na preparação física. E de facto, este progresso tem sido confirmado na competição, tendo-se classificado como vice-campeão no ultimo mundial sem Kimono.

 

A marcar presença pela primeira vez neste torneio está Vagner Rocha. Lutador de MMA, veterano da UFC, Bellator ou Strikeforce, já venceu também os ADCC trials. Este irrascível competidor tem um estilo entusiasmante, mas esperamos que desta vez consiga manter a calma com as macacadas de alguns dos adversários (estamos a olhar para ti, Gordon) e não chute ninguém para fora de palco.

 

O irlandês Darragh O’Conaill é faixa preta de Saulo Ribeiro e já o vimos a competir no torneio, onde chegou à semi final do EBI 3. Habituado a competir com e sem kimono, IBJJF ou subonly, é um atleta muito completo.

 

O lutador de MMA (5-1) e faixa preta Dustin Akbari treina normalmente com Urijah Faber no Team Alpha Male, tendo por isso uma base de wrestling muito sólida. Compete em torneios IBJJF e subonly, para este torneio treinou com a equipa de Caio Terra.

 

Da Austrália chega Craig Jones, pronto a mostrar que os cangurus têm mais do que Kit Dale para mostrar ao mundo da arte suave. Campeão mundial enquanto faixa roxa, foi recém promovido a faixa preta. Tem o potencial de ser a surpresa da noite

 

Para manter um torneio aberto e entusiasmante para o público, as regras limitam a presença máxima de dois membros da mesma equipa por evento. O colega de Gordon Ryan, Oliver Taza, será o segundo membro do Danaher Death Squad a concurso. Faz parte da segunda linha de membros da equipa que se tem vindo a afirmar ultimamente no circuito. Com um segundo lugar nos trials do ADCC deste ano, chega agora ao maior palco da sua carreira, assegurando o seu convite para o torneio ao vencer o torneio Show the Art. Tem um estilo de jogo muito semelhante ao de Gordon Ryan e de Garry Tonon,

 

Também a escola 10th Planet teve um torneio interno (10pQ) para decidir o seu segundo participante. E quando a poeira assentou, Nathan Orchard surgiu como vencedor. Finalista derrotado por fuga mais rápida no primeiro EBI, Orchard tem estado em alta forma ultimamente. Tem um jogo versátil, não sendo necessariamente o maior especialista mundial em nenhuma faceta do jogo, mas sólido em todas elas, como o wrestling, a passagem de guarda, as chaves de pernas, a guarda (atenção à sua finalização da guarda borracha, o dead orchard) favorecendo ultimamente a finalização das costas. Submeteu recentemente o histórico Masakazu Imanari no Polaris 4, por mata leão, e todos os seus combates no torneio de qualificação (todos contra alunos dos irmãos Martinez) foram vencidos por mata leão. Foi submetido por Gordon Ryan há um ano, terá oportunidade de vingar essa derrota hoje.

 

O sapateiro Joe Baize é veterano do EBI, tendo competido nos pesos médios. Irá agora lutar na sua categoria de peso preferida. Competiu no mês passado no Submission Underground, onde foi também ele foi finalizado por Gordon Ryan.

 

O colombiano Sérgio Ardila-Ibarra é faixa preta da ATT e foi campeão mundial e pan-americano sem pano faixa roxa. Afirma que desde que Eddie Cummings o submeteu com uma chave de perna que decidiu estudar o sistema, que agora junta à sua formação de wrestler. Também ele terá motivações extra para derrotar Gordon Ryan e vingar a derrota contra o DDS.

 

Marcel Gonçalves é faixa preta e um dos primeiros alunos de Cyborg Abreu. Já medalhou em mundiais e pan-americanos da IBJJF. Venceu a sua divisão do Metamoris Challenger e é veterano de MMA, tendo combatido no Bellator.

 

Pela primeira vez num EBI, depois de ter feito ondas no torneio Onnit Invitational, José Llanas é um faixa preta do Texas. Tem um estilo de jogo agressivo, mas ao mesmo tempo, controlado. Com tudo a provar e nada a perder, poderá ser uma agradável surpresa.

 

Chris Mckarski é um faixa castanha mais tradicional, aprecia a queda, controlar a posição, passar e finalizar. Especializa-se em triângulos, tende a evitar chaves de perna. Será interessante vê-lo a encarar alguns dos competidores com um estilo de jogo menos convencional.

 

O jovem prodígio Jean Paul Lebosnoyani acabou de fazer 18 anos, mas está habituado a competir contra adultos faixa preta em competição. Aposta individual de Eddie Bravo, este faixa roxa tem agora a oportunidade de chocar o mundo.

 

O faixa castanha Dan Borovic treina com Rodrigo Comprido e já ganhou ouro duplo nos ADCC trials e venceu o Metamoris Trials. Está agora pronto para deixar para trás os torneios de qualificação e mostrar o que vale nos maiores palcos.

 

JIUJITSU DE COMBATE

 

Em paralelo ao torneio principal, vai acontecer um torneio de 4 homens com regras particulares, na medida em que permite golpes com a palma da mão a atletas no chão. Uma experiência nova que visa a mostrar um estilo de Jiu Jitsu mais honesto e ciente da importância da posição no combate enquanto arte marcial. Temos uma curiosidade cautelosa quanto à viabilidade e à espetacularidade deste tipo de regras. Os atletas em competição serão todos Jiujiteiros com experiência de MMA, como o veterano do EBI, lutador de MMA (16-8) e faixa preta Chad George, o especialista em wrestling e sambo Sheridan Moran, o wrestler e lutador de MMA (16-9) Nick “Quick” Honstein e o faixa-castanha de Eddie Bravo JM Holland.

 

Por Diogo Trigo