A IMPORTÂNCIA DE VIVENCIAR O JIU-JITSU EM SUA ORIGEM, POR LUIZ DIAS

80710_670x445_5877616747182

Para Luiz Dias, o Jiu-Jitsu pode ser em simultâneo uma ferramenta educacional, como também criar competidores aguerridos. Foto: Roll&Talk/ Jaime Neto

 

A importância de vivenciar o Jiu-Jitsu em sua origem*

 

Todo treino sempre nos traz ensinamentos, assim como competir também. Mas refletir sobre os treinos também é muito importante e ainda faz parte do treino, porque é o momento de pensar sobre suas lutas, remontar certos movimentos e abrir a mente para todas as possibilidades. Fortalecer a mente também, perceber que é possível realizar movimentos quando, na luta, você não quis arriscar. Estar sempre lapidando seu jogo é importante, aprender técnicas para surpreender seus oponentes, mas acredito também ser importante estar sempre voltando às origens do nosso Jiu-Jitsu.

 

Não podemos esquecer conceitos tão importantes sobre a nossa arte suave. Apenas repetir mecanicamente as posições, sem entender esses fundamentos, é reduzir o Jiu-Jitsu, ou melhor, não perceber sua magnitude. Conversando com o GM Reyson Gracie, ele me disse um conceito que entendo perfeitamente: “Tenha o Jiu-Jitsu como mais um meio de auto-aperfeiçoamento e busca de autoconhecimento”.

 

O Jiu-Jitsu é uma arte que tem de ser vivenciada nos dojos. Vivenciar o Jiu-Jitsu, eu creio ser a melhor expressão para esses momentos. Você pode ver vídeos, fotos em sequência dos movimentos, mas só executando os movimentos nas lutas e sendo corrigido por um professor é que o aluno vai lapidando a sua técnica e testando a eficiência do movimento. Compreender e treinar a Defesa Pessoal, esquecida por muitos, mas de grande importância na nossa arte marcial.

 

“O Jiu-Jitsu, também dito como xadrez do corpo, requer o uso da inteligência em usar uma estratégia. Agregando a técnica, a flexibilidade com a força e o aeróbico, certamente teremos uma potencialização do nosso Jiu-Jitsu.”

 

Quem conhece, sabe da importância dela para o MMA. O Jiu-Jitsu possui um grande potencial, que é um excelente agente transformador e formador de pessoas de qualquer idade e classe social. Muitas posições surgem no decorrer dos tempos, sendo executadas exaustivamente como se fossem chancelas de estar fazendo o Jiu-Jitsu atual, mas vejo as técnicas como atemporais. Os fundamentos do Jiu-Jitsu permanecem intactos. Tais fundamentos não podem ser esquecidos, porque são os pilares que sustentam nossa arte suave.

 

Outro conceito muito importante, que eu acho excelente “? A arte de vencer cedendo, a arte do virtuoso e a flexibilidade combativa”. O Jiu-Jitsu, também dito como xadrez do corpo, requer o uso da inteligência em usar uma estratégia. Agregando a técnica, a flexibilidade com a força e o aeróbico, certamente teremos uma potencialização do nosso Jiu-Jitsu.

 

Hoje em dia, o Jiu-Jitsu competitivo tem um espaço crescente. Vários campeonatos, eventos de lutas casadas, o que é excelente. Técnicas que são desenvolvidas, o que é muito importante para a nossa arte suave. Mas vejo o Jiu-Jitsu que transcende as competições, percebo o Jiu-Jitsu como uma filosofia de vida. Acredito que a arte suave bem orientada, por professores bem formados, pode ter um grande alcance como formador de pessoas. Um Jiu-Jitsu com enfoque educacional e que, de maneira nenhuma, deixará de descobrir atletas com grande potencial para competições.

 

Para mais informações sobre, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Bons treinos e boa semana. Oss!

 

Luiz Dias, Líder da GAS JJ
www.geracaoartesuave.com.br
twitter: @gasjj

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/