A IMPORTÂNCIA DE TER E PRATICAR O JIU-JITSU MENTAL EM SEU COTIDIANO, POR LUIZ DIAS

81103_670x446_30645161290323

A lenda Fernando Pinduka, Grande-Mestre Leoni Nascimento e o Professor Luiz Dias; 3 guardiões da mais pura linha do Jiu-Jitsu . Foto: Gas RJ

 

11117983_10203998491671163_377153827_n

 

A importância de ter e praticar o ‘Jiu-Jitsu mental’ em seu cotidiano*

 

Praticamos o que aprendemos no Jiu-Jitsu todos os dias, a todos os momentos, independentemente de estarmos com o quimono ou não. Creio que o nosso raciocínio já é condicionado à nossa vivência nos tatames sobre pressão, desconforto e o pouco tempo para encontrar a melhor resposta para cada situação. Nos proporciona uma calma para pensarmos nas mais diversas situações pessoais e profissionais, mesmo quando estamos sob pressão, quando parece que não temos tempo para pensar em mais nada.

 

Posso afirmar isso por experiência própria, por momentos difíceis que passei há pouco tempo e ainda vivo. Muito da minha calma e equilíbrio vieram do Jiu-Jitsu. Se não fosse esse Jiu-Jitsu mental, seria bem mais difícil passar por tantas pressões. A forja que a arte suave nos proporciona nos fortalece de uma maneira que só percebemos quando somos colocados à prova. Essas pressões podem ser em uma luta na academia, em campeonatos, no ambiente pessoal e ou profissional. Essa tranquilidade nós vamos ganhando gradualmente, com o tempo de treino, e acabamos refletindo na nossa conduta diária, na vida como um todo.

 

“Temos de ter respeito e cuidado com o nosso colega de treino, porque treinamos com o corpo dele para evoluirmos no nosso Jiu-Jitsu”.

 

Infelizmente, alguns não entendem ou aprendem de maneira distorcida, associando o treino duro com grosserias, ou ser lutador tem de andar com a cara fechada o tempo todo. Não, pelo contrário. O lutador aprende a ser mais calmo, porque sabe que pode se defender em qualquer situação, e que sua integridade física estará preservada. Tem um provérbio japonês que diz: “Quanto mais forte você ficar, mais gentil será”.

 

Há pouco tempo, visitando a minha academia, escutei o Mestre Fernando Pinduka dizer a seguinte frase: “Temos de ter respeito e cuidado com o nosso colega de treino, porque treinamos com o corpo dele para evoluirmos no nosso Jiu-Jitsu”. É uma grande verdade. Um conceito importante que deveria ser pensado e respeitado nas academias. Cada aluno lesionado é menos um para treinar, por exemplo. É claro que acidentes acontecem, mas muitos não se preocupam com a integridade física dos parceiros durante o treinamento.

 

Assim sendo, se utilizarmos o “Jiu-Jitsu mental”, teremos a capacidade de analisar a tempo nossas ações e, por vezes, evitando lesões em nossos parceiros, e ainda teremos muitos ganhos em todas as nossas vidas, evitando estresse, discussões desnecessárias que vão refletir em um desgaste físico e mental menor, já nessa vida acelerada que vivemos nas grandes cidades tudo é motivo para estresse.

 

O Jiu-Jitsu é uma grande filosofia, que pode e deve ser utilizada, cabendo a nós passarmos isso aos nossos alunos e nós mesmos lutadores sermos exemplos. O Jiu-Jitsu nasce, todo lutador precisa ter suas estratégias, na visão de luta. Certamente, a filosofia do Jiu-Jitsu pode e deve ser utilizada dentro e fora dos tatames.

 

Para mais informações sobre, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Bons treinos e boa semana. Oss!

 

Luiz Dias, Líder da GAS JJ
www.geracaoartesuave.com.br
twitter: @gasjj

 

*Luiz Dias, escreve regularmente para a revista “Tatame” do Brasil e para o site JiuJitsuPortugal.com

 

Decidimos, manter o texto original.

 

*Para leres mais artigos de Luiz Dias na coluna ‘Verde & Amarelo’ clica no link: http://jiujitsuportugal.com/category/verde-amarelo-a-coluna-de-luiz-dias/