‘EBI – 10, A LUTA DE GALOS’, POR DIOGO TRIGO

ebi10

 

EBI 10 – A Luta de Galos

 

A 2200 metros de altitude, na Cidade do México, somos esta madrugada convidados a assistir a um evento  luta de galos. Mas não temam os defensores dos direitos dos animais, os elementos a disputa são 100% voluntários. À décima edição, o EBI regressa às origens e volta pela primeira vez ao seu peso mais leve. Com 4 combates com 10 minutos previstos só de tempo regulamentar, a elevação será um factor a ter em conta na preparação física para este evento.

 

Esta divisão até agora só teve uma edição, e assim sendo só um campeão. Geo Martinez. O mais laureado competidor da escola 10th Planet, com 2 títulos EBI, incluindo o título a disputa, semi-finalista do ADCC, regressa agora ao seu peso natural para defender o título. Tem um estilo de jogo fluído, favorecendo a truck (para finalizar uma chave de panturrilha ou um twister, o primeiro que vimos nesta promoção), a meia guarda ou a guarda borracha. Em conversa com o JiuJitsu Portugal, Geo diz estar preparado para controlar o relógio e, se necessário, ganhar os combates por tempo extra, tendo trabalhado nas suas fugas de armlock e de costas, que têm sido o ponto mais fraco no seu jogo, tendo sido derrotado em dois eventos em peso pena nestas condições por Joe Soto e por Bill Cooper. Apesar de realçar que o seu objectivo é a vitória seja frente a quem for, Geo não admite que gostaria de finalmente enfrentar Eddie Cummings na final,  numa luta-casada que já esteve marcada por duas vezes, acabando por ser cancelada nos dois casos. Freakazoid tem agora a oportunidade de defender a bandeira da sua academia no evento com o nome do seu fundador, num dos maiores palcos.

 

Porque, em todas as outras divisões da promoção, os cinturões pertencem a uma só academia. Não é 10th Planet, nem Gracie Barra, tampouco Alliance, nem sequer ATOS. Todos os outros títulos do EBI foram para Nova York, para a academia Renzo Gracie, onde está baseado o Danaher Death Squad. Garry Tonon e Gordon Ryan têm os títulos de leve, meio-médio, médio, meio-pesado e absoluto, enquanto que o seu colega Eddie Cummings é campeão peso-pena. Apenas derrotado pelo companheiro Garry Tonon na promoção, Cummings venceu todos os outros combates em que marcou presença. Apresentado ao mundo como um dos sapateiros mais sapateiros desde que inventaram chaves de pernas, o Wolverine tomou facilmente as costas e finalizou os adversários que lhe tentaram esconder as pernas nos últimos combates em que o vimos. Tem vindo a ganhar arcaboiço muscular nos últimos anos, mas desta feita terá de cortar peso e fazer 61 kg, o que poderá fazer diferença à medida que o torneio vai avançando.

 

Este torneio vê o regresso do galês Ashley Williams, recém vitorioso no mês passado no seu primeiro combate de MMA. A competir no seu peso natural, quer ser agora o segundo europeu a ganhar um combate neste torneio , depois de Daniel Strauss. Este faixa preta tem vários troféus sob a chancela IBJJF, como o dois títulos de campeão europeu sem kimono consecutivos em faixa castanha (2015) e preta (2016). Favorece um o jogo de topo e pressão para passar a guarda, mas já vimos que, como nos tinha adiantado em entrevista, o muito tempo de treino sob as regras da IBJJF lhe traz alguma desvantagem nas chaves de pernas perante alguns dos nomes presentes, o que poderá ser uma lacuna demasiado grande para deixar em aberto se almeja vencer o torneio, até porque se arrisca a ter de enfrentar Eddie Cummings no segundo combate.

 

Outros nomes notáveis a disputa incluem Marcelo Cohen, brasileiro campeão pan americano sem pano. Baseado na Flórida, identifica-se como um finalizador, com uma base de judo. Identificou-nos já a sua estratégia favorita para lidar com sapateiros, de saltar por cima deles e apanhar uma kimura voadora, uma estratégia bem estabelecida para lidar com a guarda de ganchos associada a chaves de pernas.

 

Também nome grande é o de Baret Yoshida, bi-campeão mundial (2008 e 2009) e bronze (2011) sem kimono, bi-medalhado prata (2001 e 2003) e bronze (2007) no ADCC, este competidor costuma favorecer um estilo de guarda aberta, que usa para transitar para o crucifixo, onde a sua percentagem de finalização é extremamente elevada, e que marca presença no seu quarto evento.

 

Em vantagem relativamente aos outros competidores, estarão os locais, companheiros de equipa alunos de Mário Delgado, Arturo Cadenas Rocha e Alexis Alducin (a participar no seu quarto EBI), habituados a competir às condições de elevação.

 

A ATOS será representada pelo faixa castanha e campeão mundial Kristian Woodmansee, que já marcou presença num evento, e que terá a honra de abrir as hostilidades contra o campeão Geo Martinez. Ao contingente brasileiro junta-se também Bruninho Barbosa. Os outros competidores serão o veterano do EBI 1 e 2, fã do estrangulamento Brabo e aluno de Jean Jacques Machado Eric Medina, o faixa castanha aluno e colega de Geo Martinez Ricky Lule, que venceu a qualificatória para o torneio,  Joey Diehl, lutador com 8 das 11 vitórias em MMA por submissão e que já derrotou Ricky Lule, Suraj Budhram, faixa castanha da ATT, Javier Gomez da Ares Jiu Jitsu, campeão mundial nogi faixa castanha deste ano, Alessandro Costa, e Pablo Rogel.

 

O EBI 10 acontece na madrugada de sexta para sábado, e pode ser assistido em Portugal na plataforma UFC Fight Pass.

 

Por Diogo Trigo

Twitter – @DrDTrigo
Instagram – @DrDTrigo