EUROPEU DE JIU-JITSU 2016: O MAIOR TATAME DO MUNDO CHAMA-SE PORTUGAL

jiu-jitsu-portugal-com (98)

Mais de 3500 atletas de todo o mundo deram um colorido diferente à cidade de Odivelas. Foto: JiuJitsuPortugal

 

Com o maior número de atletas inscritos da história num evento, mais uma vez o Campeonato Europeu de Jiu-Jitsu voltou a bater recordes. Começa a ser um hábito escrever estas palavras, mas o nível não para de subir. Atletas de todas as partes do planeta assim o disseram. Já ninguém vem apanhar um sol e de caminho fazer uns rolas. O nosso Europeu é hoje e cada vez mais uma competição de topo no calendário.

 

E novamente os portugueses continuam a medalhar e a ter prestações de elevado nível. Se antigamente havia o mito de que conquistávamos medalhas porque o campeonato era realizado em Portugal, hoje não há quaisquer dúvidas do valor da modalidade no nosso país. Da branca à preta, do juvenil ao master, masculino e feminino, houve medalhas e participações memoráveis.

 

Se internamente existem as naturais rivalidades entre academias, no Europeu é muito mais visível a bandeira do Jiu-Jitsu português, com os habituais adversários a torcerem uns pelos outros. É de enaltecer este tipo de camaradagem e convivência, em que deixa de ser a medalha do ‘atleta X’, da ‘academia y’ para ser ‘A nossa medalha!’

 

Os habituais ídolos passaram por Odivelas. Nomes como Caio Terra, Lúcio Lagarto, Mackenzie Dern, ‘Megaton’ Dias, Helvécio Penna (por quem toda a gente torce, mas desta feita do outro lado estava o Nelton…), Irmãos Miyao, Felipe ‘Preguiça, Romulo Barral, Márcio André, Jackson Souza…! São demasiados para mencionar todos! E a quantidade de professores de topo que também marcaram presença no evento foi também impressionante.

 

Até na imprensa os portugueses estão no topo, com o ‘Portuga’ André Borges nos comentários do evento para a Flograppling. Cada vez mais profissionalizada esta estrutura, que certamente não tardará a ter o reconhecimento que merece por parte da imprensa generalista. Agora é recarregar baterias para a época 2016 e esperar por mais um evento de topo em 2017.

 

Por Hugo Miranda