JORGE MOREIRA

 

share

 

 

Nome? Jorge Moreira

 

Idade? 36 anos

 

Local? Gondomar-Porto

 

Ocupação profissional? Oficial de Operações Aeroportuárias no Aeroporto do Porto

 

Anos de Jiu-Jitsu? 1 ano

 

Como descobriste o Jiu-Jitsu? Sou praticante de Ju-Jutsu tradicional japonês há cerca de 10 anos, arte de onde nasceu o Judo moderno e que influenciou directamente tantas outras disciplinas. Com um pouco de curiosidade mas também como forma de enriquecer o meu Ne-Waza, procurei e felizmente encontrei um “Clã” que vai de encontro á ideologia que procuro numa arte marcial. A transição de um estilo clássico para um mais “desportivo” não é fácil, mas na GAS o espírito esta lá….

 

Academia/ equipa? GAS Porto

 

Cor da faixa? Branca

 

Jiu-Jitsu é…? Precisão, foco e intensidade

 

Como está o estado do Jiu-Jitsu em Portugal? Nestes últimos anos houve claramente um despertar para o que é o Jiu-Jitsu. Mais e melhores academias, mais e melhores infraestruturas, vontade de trabalhar e de fazer as coisas acontecerem. O caminho está traçado…agora é seguir em frente.

 

Uma viagem para treinar Jiu-Jitsu? Rio de Janeiro sem sombra de dúvida, mais concretamente bairro das Laranjeiras com o Professor Luís Dias e a família GAS – Rio de Janeiro.

 

Jiu-Jitsu desportivo, de competição ou defesa pessoal? Defesa pessoal, mas eu sou suspeito, devido aos meus antecedentes não consigo equacionar nenhuma arte marcial que não tenha esse foco. Desporto de combate é uma coisa, arte marcial é outra…

 

Quais são os atletas que gostas de ver “rolar” (nacional e internacional)? A nível nacional talvez o ‘Paquito’, a nível internacional gosto muito da atitude do Kron Gracie sempre com o foco na finalização.

 

A quem encaixavas um “mata-leão”? A ninguém, o meu espirito está sempre em paz.

 

Uma mensagem? O crescimento do Jiu-Jitsu em Portugal é evidente, as competições estão aí e servem para acumular experiência e potenciar novos atletas, mas cuidado, como se diz na gíria “é um pau de dois bicos”, todos queremos que cresça mas a que preço? Temos como exemplo o Judo, o que vemos agora nas grandes competições é um Judo muito diferente do original, a “evolução” da modalidade olímpica, desvirtuou toda uma arte marcial. Não vamos também desvirtuar o Jiu-Jitsu.

 

O que tens a dizer do site JiuJitsuPortugal? Na minha opinião, é dos maiores responsáveis pelo crescimento da arte no nosso país. Na divulgação, na informação e principalmente na formação do que é o Jiu-Jitsu.