SURF & JIU-JITSU: DOIS LADOS DO ATLÂNTICO, UM LIFESTYLE

Surf & Jiu-Jitsu (JiuJitsuPortugal.com)

Luiz Dias, Elson Souza, Rui Reis e Elisio Seixas. Para estes quatro “SurfJiteiros” os desportos são diferentes, mas o lifestyle é o mesmo.

Estava noutro dia a ver um programa televisivo aqui no Rio de Janeiro, quando surgiu uma reportagem sobre surf em que se dizia que este é um dos desportos favoritos da população local e começei a recordar-me da estreita relação que existe entre os praticantes de surf e os de Jiu-Jitsu.

Existem muitos vídeos no youtube que falam da relação do Mestre Rickson Gracie, do Grande Mestre Relson Gracie, do Mestre Royler Gracie ou do falecido Mestre Rolls Gracie entre outros, como sendo atletas que gostavam ou gostam de praticar surf e que se envolveram muitas vezes em rixas devido a disputas de praia (existe a regra do localismo, tal como se fosse um clã para cada praia), fazendo com que muitos dos praticantes de surf começassem a interessar-se em aprender Jiu-Jitsu (sabe mais aqui).

Surgiu-me então a ideia de escrever sobre estes dois estilos de vida e mostrar como se tocam.
Conversei com alguns praticantes de ambas as modalidades, tanto do Rio de Janeiro como de Portugal, para perceber a perspectiva que existe de ambos os lados do Atlântico, perguntando-lhes o que consideram ser o estilo de vida do Jiu-Jitsu, em que aspectos acham que surf e Jiu-Jitsu se fundem (muitos dizem que ambas as modalidades têm estilos de vida semelhantes) e que praias recomendariam aos estrangeiros que visitem os seus países.

A primeira pessoa com quem falei foi com o professor Luiz Dias, faixa preta do Grande Mestre Leoni Nascimento (aluno directo do Grande Mestre Hélio Gracie), fundador da equipa GAS JJ, colunista da revista TATAME, competidor dos tempos em que as lutas eram “casadas” entre academias. Praticante de surf e Jiu-Jitsu desde os anos 70, o professor Luiz confidencia-me ” o Jiu-Jitsu entrou na minha vida antes de eu saber até o que era Jiu-Jitsu. Eu era muito pequeno e ele se enraizou nas minhas lembranças e vida que nem sei separar. O lifestyle do Jiu-Jitsu é estar pensando nele, preparar seu corpo e mente, se testar, tentar melhorar sempre. Não tem um dia que ao acordar não pense que sou um faixa-preta, que tenho de melhorar sempre como pessoa e lutador”.
Quando questionado sobre a união surf e Jiu-Jitsu, Luiz Dias responde que ” acho que ambas são suaves e agressivas. Ambas ou você ganha ou perde. Submete ou é submetido. Ambas nos dão lições de humildade constantemente. Surf e Jiu-Jitsu são clãs, cada praia tem o seu. O respeito é mantido de uma maneira ou de outra. Creio que sempre será assim”.
Quanto à praia que recomendaria para a prática de surf, não mostra qualquer dúvida, “Prainha, no Rio de Janeiro”.

“existe a regra do localismo, tal como se fosse um clã para cada praia”

De seguida contactei com o professor Elson Souza, faixa-preta do Mestre Fernando Pinduka e que treinou durante muitos anos com o saudoso professor Léo D’ilha (ambos alunos do falecido Mestre Carlson Gracie), onde conheceu o amigo e actualmente professor Sérgio Vita que vive em Portugal. Praticante de surf e Jiu-Jitsu há 20 anos, o professor Elson revela-me que “entendo que o estilo de vida do Jiu-Jitsu torna o praticante em equilíbrio com sua mente e corpo, deixando-o mais extrovertido para os mais introspectivos e mais equilibrados para os mais agitados, um estilo de vida de autoconfiança, boa disposição física e bom humor”.

Quando lhe pergunto sobre a união surf e Jiu-Jitsu a resposta é simples ” as duas actividades são desafiadoras, sendo uma para contacto com o ser humano e outra com a natureza, vendo-as como uma forma de religião ou seja, formas de religar a Deus”.
Quanto à praia que recomenda para a prática de surf, a resposta é idêntica à do professor Luiz, Prainha no Rio de janeiro, mas deixa um conselho ” bem cedinho, lá pelas seis da manhã seria o melhor horário a fim de evitar o crowd’ “.

E qual é a opinião sobre esta matéria em Portugal? Decidi falar com dois amigos e companheiros de treino, Rui Reis e Elísio Seixas.

O Rui Reis, aluno do professor Marco Carneiro, faixa azul de Jiu-Jitsu e faixa preta da Federação Portuguesa de Kickboxing e Muay Thai, diz-me que “pratico surf desde 2007 e Jiu-Jitsu de forma regular desde 2012″.
Para ele o estilo de vida do Jiu-Jitsu baseia-se em ” treinar regularmente, usar os princípios do Jiu-Jitsu no dia a dia, comer de forma saudável, dormir bem e competir regularmente”.

“Torna-se simples perceber que ambas as modalidades unem-se como uma só, seja na sua prática, seja a nível de postura perante as adversidades que nos surgem ao longo da vida.”

Questionado sobre as semelhanças entre surf e Jiu-Jitsu, ele diz que “há inúmeras similiaridades entre as duas modalidades. Ter paciência e esperar pela oportunidade certa. O ‘timing’ tem de ser perfeito, atacar a onda ou o adversário; demasiado cedo ou demasiado tarde pode ser ‘fatal’. A postura e o equilibrio ditam o teu (in)sucesso. Uma onda ou um ‘rola’ são movimento constante. Temos de nos adaptar. Se nos virmos numa má situação temos de relaxar, controlar a respiração e esperar pelo momento certo para escapar. Mas o surf e o Jiu-Jitsu, particularmente no Brasil, têm uma história comum que nos faria ficar aqui a ‘falar’ horas sobre o tema”.

Na questão da praia que recomenda, o Rui mostra-se um defensor da sua zona ” parecia mal se não recomendasse as praias que tenho a 5 minutos de casa: Furadouro, Maceda, Cortegaça, Esmoriz e Espinho. Todas estas praias têm ‘spots’ e ‘secret spots’ muito bons, sendo Maceda a minha preferida”.

Quanto ao meu amigo Elisio Seixas, faixa azul do professor Rodrigo Pereira, praticante durante muitos anos de capoeira e múltiplas vezes medalhado em diversas open’s nacionais e que recentemente encontrou o Mestre Royler Gracie a surfar nas praias do Bali, praticante de surf à 10 anos e de Jiu-Jitsu á dois anos e meio, acredita que “existe mesmo um Jiu-Jitsu “lifestyle” que passa por um esforço para tornar o teu corpo e mente o mais eficientes possivel. Isto engloba várias vertentes, como alimentação saudável, treinos regulares de Jiu-Jitsu e preparação física. Claro que pode-se afirmar que muitos desportos incluem estes aspectos na sua preparação, mas o que destingue o Jiu-Jitsu é a intensidade com que os seus praticantes, na sua maioria amadores, levam a sério estes aspectos. A  maior parte dos praticantes que eu conheço têm uma frequência de treinos superior a 4 vezes por semana, além da preparação física. No Jiu-Jitsu todos somos amadores com uma dedicação de profissionais, e isto acontece porque este é um desporto de paixões e emoções muito fortes. Ou se ama ou não se gosta. Não existe caminho intermédio”.

Para Elisio “surf e Jiu-Jitsu fundem-se em muitos aspectos. Ambos são desportos de emoções fortes, que envolvem adrenalina ao máximo e que tendem a testar constantemente os seus praticantes, além de serem desportos individuais onde só podes contar contigo próprio. Quem pratica estes dois desportos sabe  o desafio que é entrar num campeonato de Jiu-Jitsu onde todos querem ganhar e ninguém quer ser derrotado. É fácil fazer a analogia de dar uma entrada num mar onde as ondas estão a dar tubos de 2 metros. Há um friozinho na barriga, o teu corpo diz para não avançares, mas a tua mente aceita o desafio. Estás continuamente a desafiar-te a ti próprio em ambos os desportos”.

Quando a uma praia que recomendaria para a prática de surf, ele diz-me “em Portugal existem bons sitio para surfar. Para um surfista que pratica Jiu-Jitsu eu recomendaria a Ericeira e Sagres. São locais que dão muito boas ondas e têm academias por perto onde se pode dar um ‘rola’ para tirar a fome dos tatames”.

Torna-se simples perceber que ambas as modalidades unem-se como uma só, seja na sua prática, seja a nível de postura perante as adversidades que nos surgem ao longo da vida.

A todos a continuação de bons e proveitosos treinos, oss.

Por Rui Conceição