A COPA E OUTROS MUNDIAIS NO PAÍS DO JIU-JITSU

A Voz da Tribo (JiuJitsuPortugal.com)

O que têm em comum uma artista, um policia e um segurança? O Jiu-Jitsu e a análise do que é prioritário para o seu país, o Brasil.

 

A bola já rola no país do futebol. Ou será do Jiu-Jitsu? Ou da capoeira? A Copa que tanta polémica e discussões tem provocado, teve início. Fomos saber junto de três brasileiros, residentes no Rio de Janeiro, com profissões totalmente diferentes uns dos outros, mas que têm em comum a prática do Jiu-Jitsu, o que pensam sobre o seu país organizar e receber este mega evento desportivo. Mas também, quais as suas opiniões sobre outros “mundiais”.

1) O que pensam da Copa ser realizada no Brasil?

2) Gostavas de ver o “Mundial de Jiu-Jitsu” novamente no Brasil?

3) Na cerimónia de abertura da Copa, houve demonstração de Capoeira. O Jiu-Jitsu também lá devia ter estado representado?

 

 

Letícia Salgueiro – Artista Musical

1) Muito interessante atrair os olhares do mundo para o Brasil. Infelizmente por questões políticas e administrativas, o país não pode aproveitar os investimentos para auxiliar no crescimento. O destaque desta festa desportiva permanece no povo ao demonstrar hospitalidade e respeito ao receber os estrangeiros.

2) Com certeza seria proveitoso vivenciar o mundial da modalidade no Brasil. Aproximando e incentivando atletas, permitindo trocas interessantes no intercâmbio da arte suave.

3) Acredito que muitas manifestações populares, artísticas e culturais não foram contempladas na cerimónia de abertura, tão importante para desmistificar crenças pouco esclarecidas sobre a cultura nacional no exterior. Foi desperdiçada uma oportunidade de demonstração da diversidade e peculiaridades de um país de dimensão continental. O Jiu-Jitsu brasileiro por sua originalidade, valor e atletas reconhecidos mundialmente também merecia espaço.

 

Chauan Almeida Carvalho – Policia Civil

1) O Brasil entrou em evidência, com a promessa de um legado e de um tempo que se iniciava. Mas, o que vemos, mais uma vez, é um pequeno grupo de políticos e de partidos que se beneficiaram com o velho costume de gasto de verbas públicas, sem controle. O que é pior, beneficiando também a FIFA e seus dirigentes.

2) O mundial de Jiu-Jitsu no Brasil, não tem o mesmo “vulto” de uma Copa do Mundo de Futebol, mas é um evento importantíssimo para o país. Afinal aqui é o berço desta arte marcial que ganhou o mundo.

3) A cerimónia de abertura foi idealizada por estrangeiros, que não consultaram nenhum brasileiro, já que temos experiência neste tipo de apresentação (Desfiles de Carnaval, Parintins, etc) foi uma falha da organização. O Jiu-Jitsu brasileiro ficou de lado, como outros aspectos que foram esquecidos.

 

Eduardo Medeiros – Segurança Patrimonial

1) Acho que o nosso país tem coisas mais importantes para se preocupar, como por exemplo: saúde, educação, desemprego e violência. Depois que focarem nesses 4 factores, aí sim podem pensar em fazer eventos de grande porte.

2)Sim! Afinal foi daqui que saíram os maiores nomes do Jiu-Jitsu mundial. O Brasil tem capacidade e conteúdo para realizar o maior evento de Jiu-Jitsu do planeta.

3) A Capoeira, particularmente acho mais uma dança do que uma arte marcial. Admiro essa “dança”, mas acho que a organização do evento poderia focar mais na defesa pessoal, em desportos de corpo-a-corpo, assim como o nosso Jiu-Jitsu, Afinal de contas, o nosso país já leva a fama de ser um lugar violento e nada mais justo do que mostrar ao povo brasileiro e aos estrangeiros que temos capacidade e técnica de nos defendermos contra agressores, baderneiros, etc