Não basta ser bom. É preciso querer ser bom!

Europeu Jiu-Jitsu 2014

O que todos os patrocionadores querem: que a sua marca seja conhecida. Foto: Hélio Valentim.

 

«Não procure a próxima oportunidade. Tem entre mãos a oportunidade»

Esta é uma frase muito utilizada no nosso dia-a-dia, seja no mundo dos negócios, na orientação para a nossa vida ou no…Jiu-Jitsu. Estamos sempre à espera que a oportunidade nos bata à porta. Só que isso quase nunca acontece.

No fim de Janeiro, a abertura da época do Jiu-Jitsu mundial iniciou-se em Lisboa, com a realização do Europeu. Sendo esta uma das quatro maiores provas do calendário mundial, Lisboa recebeu durante os dias do evento, os maiores nomes do Jiu-Jitsu mundial e a acompanha-los, a comunicação social especializada, mais as Empresas que desenvolvem os seus negócios no mercado da luta e deste lifestyle. Os olhos do mundo, estiveram em cima do que acontecia nas dez áreas de luta do pavilhão Casal Vistoso. Se por um lado a IBJJF e a comunidade do Jiu-Jitsu reconhecem a garantia da capacidade e qualidade que Portugal e os portugueses têm para montar um espectáculo como o Europeu, por outro os atletas, salvo raras excepções deixaram passar a oportunidade de vender um espaço do seu kimono. Num mundo ultra competitivo, onde a rapidez de cair no esquecimento é proporcional à rapidez das novas publicações nas várias redes sociais, devemos lutar pela excelência.

O convite a um potencial sponsor com o qual estamos a negociar um contrato ou um apoio, para estar presente no pavilhão iria mudar-lhe a perspectiva que ele tem do Jiu-Jitsu. Infelizmente, ele não vai ficar a perceber o que é o Jiu-Jitsu e o seu potencial de retorno através da comunicação social mainstream nacional. Os milhares de espectadores presentes no pavilhão, esses sim, irão moldar-lhe a ideia do que é hoje o Jiu-Jitsu. Ninguém fica indiferente ao que se passa no interior do pavilhão onde se realiza o Europeu de Lisboa. E um empresário, percebe as oportunidades. Ainda mais se for exportador.

Outro facto, é também terem sido poucos os que se fizeram acompanhar por um fotografo profissional e todos nós temos um amigo que sabe bater umas chapas. E uma boa fotografia, é menos rápida a cair no esquecimento e é partilhada por todos nas redes sociais de eleição. Então sim, é importante que o kimono tenha bastante pano.

Bons rolas para todos! – PS